sábado, 25 de abril de 2015

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 10,1-10 - 27.04.2015 - Eu sou a porta das ovelhas.

Ó Pastor divino,
nós vos pedimos que envieis
muitos operários para a vossa messe,
pois ela é imensa e os operários são poucos.
2ª-feira da 4ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 10,1-10

Eu sou a porta das ovelhas.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 10,1-10

Naquele tempo, disse Jesus:
1'Em verdade, em verdade vos digo,
quem não entra no redil das ovelhas pela porta,
mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante.
2Quem entra pela porta é o pastor das ovelhas.
3A esse o porteiro abre,
e as ovelhas escutam a sua voz;
ele chama as ovelhas pelo nome
e as conduz para fora.
4E, depois de fazer sair todas as que são suas,
caminha à sua frente, e as ovelhas o seguem,
porque conhecem a sua voz.
5Mas não seguem um estranho,
antes fogem dele,
porque não conhecem a voz dos estranhos.'
6Jesus contou-lhes esta parábola,
mas eles não entenderam o que ele queria dizer.
7Então Jesus continuou:
'Em verdade, em verdade vos digo,
eu sou a porta das ovelhas.
8Todos aqueles que vieram antes de mim
são ladrões e assaltantes,
mas as ovelhas não os escutaram.
9Eu sou a porta. Quem entrar por mim, será salvo;
entrará e sairá e encontrará pastagem.
10O ladrão só vem para roubar, matar e destruir.
Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Jo 10, 11-18

Deus afirmou, através do Profeta Jeremias, que ele daria ao seu povo pastores segundo o seu coração e, mais tarde, pela boca do Profeta Ezequiel, que ele mesmo seria o pastor do seu povo. O Evangelho de hoje nos mostra que Deus está cumprindo a sua promessa, pois o Filho, segunda Pessoa da Santíssima Trindade, é quem afirma: "Eu sou o bom pastor". É o próprio Deus que se coloca a serviço das pessoas com a finalidade de reuni-las num único rebanho. E hoje a Igreja, o Corpo Místico de Cristo, é a continuadora da obra do Pastor, de modo que nela o ser humano é convidado a participar da divina missão do pastoreio.
Fonte CNBB



JESUS, O BOM PASTOR - Jo 10,11-18
HOMILIA

Depois de Jesus ter proclamado que Ele é a porta por onde passam as ovelhas, agora vemo-l’O afirmar: “Eu sou o bom pastor”. Enquanto o bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas, O empregado não! Ele somente trabalha por dinheiro; ele não é pastor, e por outra, as ovelhas não são dele. Por isso, quando vê um lobo chegar, deixa as ovelhas entregues à sua sorte e desaparece fugindo. Então o lobo ataca e espalha as ovelhas. O empregado foge porque não busca senão o salário, a recompensa do seu trabalho. E por isso, não lhe importa que aparecendo o  lobo as ovelhas sejam atacadas e devoradas.

Assim como o Pai me conhece, e eu conheço o Pai, assim também conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. E estou pronto para morrer por elas. Tenho outras ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um só rebanho com um só pastor.

Jesus é quem comunica a vida plena. Em Jesus habita o Pai, e o amor que o une ao Pai é uma fonte de vida que transborda para todos os homens e mulheres que vivem no mundo. Como bom pastor, Jesus conhece suas ovelhas e elas o conhecem.

E por nos conhecer nos compreende e perdoa os nossos deslizes e quedas. Trata as nossas feridas e nos reveste de dignidade de filhos. O conhecimento dele é fruto do convívio e do diálogo com Deus seu Pai e que gera o amor. Para Jesus não existe massa humana amorfa. Jesus mantém uma relação pessoal e amorosa com cada um. Chama a cada um pelo nome e a cada um fala ao coração. A relação de conhecimento e amor entre Jesus e suas ovelhas é de mesma natureza que a relação entre Jesus e o Pai.

O Pai me ama porque eu dou a minha vida para recebê-la outra vez. Ninguém tira a minha vida de mim, mas eu a dou por minha própria vontade. Tenho o direito de dá-la e de tornar a recebê-la, pois foi isso o que o meu Pai me mandou fazer!
Fonte Canção Nova

sexta-feira, 24 de abril de 2015

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 10,11-18 - 26.04.2015 - O bom pastor dá a vida por suas ovelhas

Nós vos adoramos, ó Jesus,
pastor eterno da humanidade! Nós vos damos graças,
porque em vós se cumpriu a promessa
de reconduzir o rebanho disperso.
4º Domingo da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 10,11-18

O bom pastor dá a vida por suas ovelhas

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 10,11-18

Naquele tempo, disse Jesus:
11Eu sou o bom pastor.
O bom pastor dá a vida por suas ovelhas.
12O mercenário, que não é pastor
e não é dono das ovelhas,
vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge,
e o lobo as ataca e dispersa.
Pois ele é apenas um mercenário
e não se importa com as ovelhas.
14Eu sou o bom pastor.
Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem,
15assim como o Pai me conhece
e eu conheço o Pai.
Eu dou minha vida pelas ovelhas.
16Tenho ainda outras ovelhas que não são deste redil:
também a elas devo conduzir;
escutarão a minha voz,
e haverá um só rebanho e um só pastor.
17É por isso que o Pai me ama,
porque dou a minha vida,
para depois recebê-la novamente.
18Ninguém tira a minha vida,
eu a dou por mim mesmo;
tenho poder de entregá-la
e tenho poder de recebê-la novamente;
esta é a ordem que recebi do meu Pai'.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão -  Jo 10,11-18
Jesus é o pastor segundo o coração de Deus

Os domingos do tempo pascal são verdadeira catequese sobre a ressurreição, o mistério pascal e suas consequências para a vida dos cristãos. No evangelho de hoje, Jesus se insere na corrente dos profetas que denunciam os falsos pastores e anunciam para Israel um pastor segundo o coração de Deus, compassivo, misericordioso. No século VI a.C., o profeta Jeremias denunciava que os falsos pastores, aqueles a quem era atribuído o título de pastor – os reis, em especial –, conduziam o povo para longe do Deus único e verdadeiro; levaram o povo a adorar os ídolos e a abandonar os mandamentos de Deus. A aflição do povo, o desejo de um único e verdadeiro pastor para que as ovelhas não se desgarrassem, fará com que Deus, diante da fraqueza e da infidelidade dos que estavam à frente do povo, prometa conduzir, ele mesmo, a porção de sua herança, qual um pastor. Essa promessa nós a vemos realizada em Jesus, Bom Pastor. Jesus é o Pastor segundo o coração de Deus, Pastor compassivo e misericordioso, que conduz e protege as suas ovelhas. Não somente isso, mas Jesus é o Bom Pastor que entrega livremente a própria vida em favor de suas ovelhas. A cada celebração da Eucaristia recordamos essa palavra do Senhor: “isto é o meu corpo entregue por vós... isto é o meu sangue derramado por vós”. Entre o Pastor e as ovelhas há uma relação profunda: ambos se conhecem. Trata-se do modo joanino de afirmar que a relação entre o Bom Pastor e as suas ovelhas é participação na relação que existe entre o Pai e o Filho. A relação que Jesus estabelece conosco é como um prolongamento de sua relação com o Pai. Por causa dessa relação tão estreita, selada com amor profundo, que o Bom Pastor oferece livremente a sua vida em favor de suas ovelhas. Essa entrega corresponde ao desejo salvífico de Deus; por isso, Jesus diz: “O Pai me ama porque eu dou a minha vida”. E em seguida, ele diz: “para receber de novo”. É uma referência ao mistério pascal: Jesus entrega a sua vida livremente e a recupera pela vitória sobre a morte. Nós somos convidados, diante de tudo isso, a entrar nesse dinamismo do amor de Deus: “Vede que grande amor nos concedeu o Pai...” (1Jo 3,1). Finalmente, a força da ressurreição de Jesus transforma profundamente a vida de quem o segue. O Pedro da paixão que negou Jesus três vezes foi transformado pela ressurreição do Senhor e pela força do Espírito Santo. Na sua pregação ele experimenta um vigor extraordinário que o faz vencer o medo e aderir plenamente a Cristo ressuscitado e a seu projeto salvífico.
Pe. Carlos Alberto Contieri

Conteúdo publicado em Comece o Dia Feliz. http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&action=busca_result&data=26%2F04%2F2015#ixzz3YGAMiTm5 
Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte. 



JESUS, O BOM PASTOR - Jo 10,11-18
HOMILIA

Depois de Jesus ter proclamado que Ele é a porta por onde passam as ovelhas, agora vemo-l’O afirmar: “Eu sou o bom pastor”. Enquanto o bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas, O empregado não! Ele somente trabalha por dinheiro; ele não é pastor, e por outra, as ovelhas não são dele. Por isso, quando vê um lobo chegar, deixa as ovelhas entregues à sua sorte e desaparece fugindo. Então o lobo ataca e espalha as ovelhas. O empregado foge porque não busca senão o salário, a recompensa do seu trabalho. E por isso, não lhe importa que aparecendo o  lobo as ovelhas sejam atacadas e devoradas.

Assim como o Pai me conhece, e eu conheço o Pai, assim também conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem. E estou pronto para morrer por elas. Tenho outras ovelhas que não estão neste curral. Eu preciso trazer essas também, e elas ouvirão a minha voz. Então elas se tornarão um só rebanho com um só pastor.

Jesus é quem comunica a vida plena. Em Jesus habita o Pai, e o amor que o une ao Pai é uma fonte de vida que transborda para todos os homens e mulheres que vivem no mundo. Como bom pastor, Jesus conhece suas ovelhas e elas o conhecem.

E por nos conhecer nos compreende e perdoa os nossos deslizes e quedas. Trata as nossas feridas e nos reveste de dignidade de filhos. O conhecimento dele é fruto do convívio e do diálogo com Deus seu Pai e que gera o amor. Para Jesus não existe massa humana amorfa. Jesus mantém uma relação pessoal e amorosa com cada um. Chama a cada um pelo nome e a cada um fala ao coração. A relação de conhecimento e amor entre Jesus e suas ovelhas é de mesma natureza que a relação entre Jesus e o Pai.

O Pai me ama porque eu dou a minha vida para recebê-la outra vez. Ninguém tira a minha vida de mim, mas eu a dou por minha própria vontade. Tenho o direito de dá-la e de tornar a recebê-la, pois foi isso o que o meu Pai me mandou fazer!
Fonte Canção Nova

quarta-feira, 22 de abril de 2015

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Mc 16,15-20 - 25.04.2015 - Foi levado ao céu e sentou-se à direita de Deus

Para que, vivendo com alegria nossa fé,
vivamos intensamente nosso batismo,
comprometidos com a verdade de Cristo e seu Reino.
São Marcos, Evangelista . Festa
Cor: Vermelho

Evangelho - Mc 16,15-20

Foi levado ao céu e sentou-se à direita de Deus

+ Conclusão do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 16,15-20

Naquele tempo:
Jesus se manifestou aos onze discípulos,
15e disse-lhes:
'Ide pelo mundo inteiro
e anunciai o Evangelho a toda criatura!
16Quem crer e for batizado será salvo.
Quem não crer será condenado.
17Os sinais que acompanharão
aqueles que crerem serão estes:
expulsarão demônios em meu nome, falarão novas línguas;
18se pegarem em serpentes ou beberem algum veneno mortal
não lhes fará mal algum;
quando impuserem as mãos sobre os doentes,
eles ficarão curados'.
19Depois de falar com os discípulos,
o Senhor Jesus foi levado ao céu,
e sentou-se à direita de Deus.
20Os discípulos então saíram e pregaram por toda parte.
O Senhor os ajudava e confirmava sua palavra
por meio dos sinais que a acompanhavam.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 16,15-20
O evangelho segundo Marcos

Nós só sabemos que o autor do segundo evangelho é Marcos pelo testemunho do Bispo de Hierápolis, na Ásia Menor, em meados do século II d.C.; testemunho retido na “História Eclesiástica”, de Eusébio de Cesareia. Não há no evangelho nenhum testemunho textual que nos pudesse fazer chegar a tal conclusão. Eusébio de Cesareia (263-339 d.C.), referindo-se a Papias (120 d.C.), afirma: “É exatamente isto que o presbítero tinha o hábito de dizer: Marcos, tendo sido intérprete de Pedro, escreveu com cuidado, ainda que sem ordem, tudo o que ele se lembrava dos ditos e feitos do Senhor. Porque não é o Senhor que ele tinha escutado e seguido, mas Pedro, e isto bem mais tarde somente, como eu disse. Este dava seu ensinamento segundo as necessidades, sem estabelecer uma sequência ordenada nas sentenças do Senhor…”. Não foi, segundo o testemunho de Papias, a Jesus que ele seguiu, mas a Pedro. Era, provavelmente, uma espécie de intérprete de Pedro. O evangelho escrito por ele é o mais antigo dos quatro. Data do ano de 70 d.C. Há, no Novo Testamento, várias menções de Marcos: At 12,12 fala de um João, de cognome Marcos; em At 12,25; 13,5.13; 15,37-39, ele acompanhava Paulo e Barnabé; em Cl 4,10, esteve em Roma; e 1Pd 5,13 apresenta-o como colaborador de Pedro.
Pe. Carlos Alberto Contieri

Conteúdo publicado em Comece o Dia Feliz. http://www.paulinas.org.br/diafeliz/?system=evangelho&action=busca_result&data=25%2F04%2F2015#ixzz3Y6HHIMpd 
Autoriza-se a sua publicação desde que se cite a fonte. 



A MISSÃO DOS DISCÍPULOS Mc 16,15-20
HOMILIA

O anúncio do "Evangelho" obriga os homens a uma opção. Quem aderir à proposta que Jesus faz, chegará à vida plena e definitiva; mas quem recusar essa proposta, ficará à margem da salvação. A tarefa que os discípulos são chamados a fazer vai atingir não só os homens, mas "toda a criatura".

Tornar-se discípulo é, em primeiro lugar, aprender os ensinamentos de Jesus - a partir das suas palavras, dos seus gestos, da sua vida oferecida por amor.

É um tremendo desafio testemunhar, hoje, no mundo os valores do "Reino" . Com freqüência, os discípulos de Jesus são objetos da irrisão e do escárnio dos homens, porque insistem em testemunhar que a felicidade está no amor e no dom da vida; com freqüência, os discípulos de Jesus são apresentados como vítimas de uma máquina de escravidão, que produz escravos, alienados, vítimas do obscurantismo, porque insistem em testemunhar que a vida plena está no perdão, no serviço, na entrega da vida.

A missão que Jesus confiou aos discípulos é uma missão universal: as fronteiras, as raças, a diversidade de culturas, não podem ser obstáculos para a presença da proposta libertadora de Jesus no mundo. Tenho consciência de que a missão que foi confiada aos discípulos é uma missão universal? Tenho consciência de que Jesus me envia também a todos os homens - sem distinção de raças, de etnias, de diferenças religiosas, sociais ou econômicas - a anunciar-lhes a libertação, a salvação, a vida definitiva? Tenho consciência de que sou responsável pela vida, pela felicidade e pela liberdade de todos os meus irmãos - mesmo que eles habitem no outro lado do mundo?

O confronto com o mundo gera muitas vezes, nos discípulos, desilusão, sofrimento, frustração. Nos momentos de decepção e de desilusão. Como tenho reagido? Se ainda algum dia tiver de chorar, consolar-me-á a certeza da presença de Jesus: "eu estarei convosco até ao fim dos tempos". Esta certeza deve nos alimentar e encorajar no testemunho d’Aquele que nos envia e em quem acreditamos: Jesus Cristo nosso Senhor!

Fonte Padre BANTU SAYLA

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 6,52-59 - 24.04.2015 - A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida.

Dai-nos a graça, Senhor,
de sermos tocados em nossa vida, todos os dias,
por vossa Palavra e vivermos sob vossa vontade.
6ª-feira da 3ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 6,52-59

A minha carne é verdadeira comida e o meu sangue, verdadeira bebida.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,52-59

Naquele tempo:
52Os judeus discutiam entre si, dizendo:
'Como é que ele pode dar a sua carne a comer?'
53Então Jesus disse:
'Em verdade, em verdade vos digo,
se não comerdes a carne do Filho do Homem
e não beberdes o seu sangue,
não tereis a vida em vós.
54Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
tem a vida eterna,
e eu o ressuscitarei no último dia.
55Porque a minha carne é verdadeira comida
e o meu sangue, verdadeira bebida.
56Quem come a minha carne
e bebe o meu sangue
permanece em mim e eu nele.
57Como o Pai, que vive, me enviou,
e eu vivo por causa do Pai,
assim o que me come
viverá por causa de mim.
58Este é o pão que desceu do céu.
Não é como aquele que os vossos pais comeram.
Eles morreram.
Aquele que come este pão viverá para sempre.'
59Assim falou Jesus,
ensinando na sinagoga em Cafarnaum.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Jo 6, 52-59

Como pode ele dar a sua carne a comer? Como entender que para ter a vida eterna e ressuscitar no último dia é preciso comer a verdadeira comida e beber a verdadeira bebida que são a carne e o sangue de Jesus? Essas verdades se constituem numa realidade absurda para os judeus. Por que? Porque eles não conheceram verdadeiramente quem é Jesus. No mundo de hoje, encontramos muitas pessoas que, como os judeus, não conhecem Jesus e vêem a eucaristia como uma realidade absurda. Precisamos agir como missionários para que essas pessoas conheçam Jesus, se alimentem da verdadeira comida e da verdadeira bebida e vivam para sempre.
Fonte CNBB



JESUS, O PÃO DA VIDA - Jo 6,52-59
HOMILIA

As pessoas que tinham comido e agora escutavam o discurso de Jesus reagiram negativamente. Chegando a fazer inúmeras perguntas e até a pensar que Jesus os teria acusado de canibais.

Mas afinal que tipo de alimento se estava a referir Jesus?

Jesus estava falando do pão que o pão do céu nos dá. Este pão é ele mesmo. Veja o que ele diz: Assim como Eu vivo pelo Pai, assim aquele que Me come viverá por Mim.

Afirma Jesus que quem come a sua carne e bebe o seu sangue entra em tal comunhão de vida com Ele, só comparável à comunhão com que Ele próprio vive com o Pai.

Esta comunhão íntima com Jesus experimentou-a S. Paulo logo a seguir à sua conversão, pois já não sabia viver sem falar d’Ele. Ela transforma a vida e dá novo direcionamento. Faz-nos compreender que desde os primórdios Deus nos ama e pensou em nós. A entender que o corpo de Jesus é dado como alimento de nossa fé desde o momento de sua encarnação, durante toda sua vida de doação e serviço aos homens e mulheres, particularmente aos excluídos.

Que suas palavras e sua presença alimentam as comunidades ao longo da história. Aquele que acolhe Jesus na fé e se identifica com ele, assumindo o serviço na comunidade e se solidarizando com próximo necessitado na sociedade, viverá para sempre.

A comunhão entre pessoas não é comunhão de coisas, mas sim de vidas, a qual leva a partilhar tudo o que é dum e doutro. Pois, a comunidade dos que tinham abraçado a fé tinha um só coração e uma só alma. Ninguém chamava seu aquilo que possuía.

Fonte Padre BANTU SAYLA

segunda-feira, 20 de abril de 2015

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 6,44-51 - 23.04.2015 - Eu sou o pão vivo descido do céu.

Senhor,
que nosso coração esteja sempre aberto
para compreender os teus sinais.
Que não nos falte o pão do sustento e o pão da Palavra.
5ª-feira da 3ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 6,44-51

Eu sou o pão vivo descido do céu.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,44-51

Naquele tempo, disse Jesus à multidão :
44Ninguém pode vir a mim,
se o Pai que me enviou não o atrai.
E eu o ressuscitarei no último dia.
45Está escrito nos Profetas:
`Todos serão discípulos de Deus.'
Ora, todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído,
vem a mim.
46Não que alguém já tenha visto o Pai.
Só aquele que vem de junto de Deus viu o Pai.
47Em verdade, em verdade vos digo,
quem crê, possui a vida eterna.
48Eu sou o pão da vida.
49Os vossos pais comeram o maná no deserto
e, no entanto, morreram.
50Eis aqui o pão que desce do céu:
quem dele comer, nunca morrerá.
51Eu sou o pão vivo descido do céu.
Quem comer deste pão viverá eternamente.
E o pão que eu darei
é a minha carne dada para a vida do mundo'.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Jo 6, 44-51

Um dos elementos fundamentais na fé católica é o primado da graça. Se Deus não age, nós não podemos agir, nos tornamos incapazes de fazer o bem. Para nós, o bem maior é conhecer Jesus, sermos capazes de ir até ele, mas isso só é possível pela atuação da graça. Mas, se por um lado, a graça é necessária para chegarmos até Jesus, por outro lado, Deus respeita a nossa liberdade, de modo que associada à graça divina, deve estar a nossa procura de Cristo. De nada adianta a graça nos mostrar que Jesus é o Pão da vida descido do céu para ser alimento de vida eterna a todos nós, se nós não queremos vê-lo.
Fonte CNBB



EU SOU O PÃO VIVO Jo 6,44-51
HOMILIA

Hoje nos encontramos com Jesus eucarístico, aquele que se entregou ao Pai por nós e que neste momento importante exorta os apóstolos e discípulos ao seguimento d’Ele, como alimento, como sustento para a fé.
Estamos diante da continuação do longo discurso sobre o pão, pronunciado após a partilha dos pães com a multidão, na montanha. Um dos aspectos que Jesus vem salientando é que a iniciativa da salvação vem do Pai. Ninguém se faz discípulo de Jesus se não for designado por Deus seu Pai. E todo aquele escuta a sua palavra e procura fazer a vontade daquele que o enviou é introduzido na vida que nunca mais terá fim. Visto que: aqui está o pão que desce do céu; e quem comer desse pão nunca morrerá.
Todos nós somos chamados a ser “discípulos de Deus” seguindo o Filho, não mais apenas como o povo que vagou por tantos anos no deserto, mas agora no Caminho, que é Verdade e Vida, que tem tudo o que precisamos e nos alimenta para prosseguirmos. Não mais o maná, que caia do céu, que era apenas alimento, mas o pão vivo, aquele que está no meio de nós… Assim como o pão do céu era para cada dia de jornada do Povo de Deus: o pão da vida é para cada dia, cada instante, cada momento de eternidade que se produz em nós para além do nosso próprio tempo!
A fé em Jesus Cristo é quem nos garante a vida eterna. E a vida eterna nós começamos a vivê-la aqui, agora, porque cremos que Jesus está em nós e manifesta em nós este clima de eternidade. Eternidade é a vivência do Amor de Deus que opera em nós através de Jesus, pão vivo que vem do céu pelo poder do Espírito Santo. . “Eu sou o pão da vida”! O pão que nós tocamos, vemos e vivemos é a Palavra, é a Eucaristia. Jesus nos fala que todo aquele que escutou o Pai e por ele foi instruído, se aproxima dele. Portanto, se você escuta a Palavra de Deus, se você procura aprofundar-se nos mistérios sagrados, você encontrará, com certeza, a Jesus Cristo pão da vida, pois a Palavra é o pão que alimenta a nossa alma e nos ensina o caminho para a vida eterna. E a vida eterna começa aqui, agora, pois o reino de Deus é Jesus e Ele está no meio de nós. Não esperemos por um tempo que virá, Jesus se oferece como alimento, hoje, que é o momento mais importante da nossa vida.
Nunca se esqueça meu irmão. Jesus é o Caminho a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por Ele! Foi Ele próprio quem nos garantiu isso. Deus nos deixou essa mensagem com o incentivo de O conhecemos mais e mais o amor para O encontrar no Céu. Medite nas afirmações de Jesus nesse trecho do Evangelho e pense na sua vida, o que você tem experimentado e o que você tem sentido em relação a Jesus e mais uma vez esteja consciente de que Cristo está vivo para dar a você a nova vida, hoje.
Espírito de docilidade ao Pai, reforça minha disposição para acolher os ensinamentos divinos e colocar-me, resolutamente, na busca do Ressuscitado.
Fonte Padre BANTU SAYLA

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 6,35-40 - 22.04.2015 - Esta é a vontade do meu Pai: toda pessoa que vê o Filho tenha a vida eterna.

Senhor,
que nosso coração esteja sempre aberto
para compreender os teus sinais.
Que não nos falte o pão do sustento e o pão da Palavra.
4ª-feira da 3ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 6,35-40

Esta é a vontade do meu Pai:
toda pessoa que vê o Filho tenha a vida eterna.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,35-40

Naquele tempo, disse Jesus à multidão:
35'Eu sou o pão da vida.
Quem vem a mim não terá mais fome
e quem crê em mim nunca mais terá sede.
36Eu, porém, vos disse
que vós me vistes, mas não acreditais.
37Todos os que o Pai me confia
virão a mim,
e quando vierem,
não os afastarei.
38Pois eu desci do céu
não para fazer a minha vontade,
mas a vontade daquele que me enviou.
39E esta é a vontade daquele que me enviou:
que eu não perca nenhum daqueles que ele me deu,
mas os ressuscite no último dia.
40Pois esta é a vontade do meu Pai:
que toda pessoa que vê o Filho e nele crê
tenha a vida eterna.
E eu o ressuscitarei no último dia.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Jo 6, 35-40

A fé em Jesus Cristo é fundamental para a compreensão da eucaristia e para que se possa desfrutar deste sacramento, fundamental para a nossa vida espiritual, uma vez que ele é fonte de vida eterna. A vontade do Pai, ao enviar Jesus, é que todas as pessoas acreditem que Jesus é o seu enviado, o seu Filho amado, para que possam ser salvos por ele, e assim não se perca nenhum dentre os seus filhos e filhas. E, para que ninguém se perca, o Pai concede a quem vê e crê no seu Filho a vida eterna. É preciso que as pessoas vejam Jesus, creiam nele, participem da eucaristia, o sacramento do penhor da vida eterna, para que Jesus as ressuscite no último dia.
Fonte CNBB



O PÃO DA VIDA Jo 6,35-40
HOMILIA

A nossa salvação é o maior desejo do coração de Deus. Foi o próprio Jesus que nos revelou isto, ao dizer: “É esta a vontade daquele que me enviou: ‘Que eu não perca nenhum daqueles que Ele me deu, mas os ressuscite no último dia’”! Jesus Cristo veio fazer a vontade do Pai e é muito bom saber que a nossa vida está entregue nas mãos Dele e que o nosso futuro é promissor, pois está assegurado nas Suas Palavras. Crer em Jesus Cristo é, portanto, deixar-se entregar à Sua ação salvífica e nunca duvidar do Seu domínio sobre a nossa vida e a nossa morte. Jesus não veio apenas nos propor a vida eterna depois da morte, mas também nos assegura uma vida terrena fortalecida pela Sua presença, no pão que alimenta o nosso espírito, o pão do Céu. A Palavra de Deus é via de amor e fortifica a nossa caminhada aqui na terra. A Eucaristia é a presença do Deus vivo correndo nas nossas veias regenerando e purificando o nosso corpo e a nossa alma. Quem come a carne e bebe o sangue de Jesus tem a vida eterna. Esta é, portanto, a vontade do nosso Pai que está nos céus! Reflita – Você tem percebido a ação da Palavra de Deus na sua vida? – Em que a Palavra tem lhe modificado? – Qual a sua percepção sobre a Eucaristia? – Se você crê nas palavras de Jesus você então, tem o seu futuro garantido.
A Eucaristia é um mistério, uma realidade salvífica. As suas riquezas somente são acessíveis a quem acolher palavra reveladora de Jesus. Escutemos, então, o próprio Jesus, que quis revelar a verdade e a beleza deste mistério da fé. Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim não terá mais fome e quem crêe em mim nunca mais terá sede.
A partir do que Jesus está falando a mim e a você precisamos acatar de uma voz por todas que a vida nos vem do Pão que desceu do céu. E esta vida é Jesus que se faz presente na história humana e nos dá o sentido pleno da vida, e sacia a fome e a sede de vida eterna.
Portanto, faça da Eucaristia que comunga todos os dias o Pão dos fortes e da sua vida uma missão entre os homens, seus irmãos anunciando-lhes a salvação que Cristo o Pão da Vida nos trouxe. Seja instrumentos de alegria, da paz, da justiça, do amor, e da vitória de Deus na vida dos seus. É o próprio Jesus quem está falando isso para ti meu irmão e minha irmã: Pois a vontade do meu Pai é que todos os que vêem o Filho e crêem nele tenham a vida eterna; e no último dia eu os ressuscitarei. Portanto, acredite e tenha fé no Pão da vida. Você e os seus viverão eternamente.
Pai, transforma-me em discípulo autêntico de teu Filho Jesus, de modo que a tua vontade seja o centro de minha existência, e eu experimente, já na Terra, a vida eterna.
Fonte Padre BANTU SAYLA

domingo, 19 de abril de 2015

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Jo 6,30-35 - 21.04.2015 - Não foi Moisés, mas meu Pai é que vos dá o verdadeiro pão do céu.

Senhor,
que nosso coração esteja sempre aberto
para compreender os teus sinais.
Que não nos falte o pão do sustento e o pão da Palavra.
3ª-feira da 3ª Semana da Páscoa
Cor: Branco

Evangelho - Jo 6,30-35

Não foi Moisés, mas meu Pai é que vos
dá o verdadeiro pão do céu.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São João 6,30-35

Naquele tempo, a multidão perguntou a Jesus:
30'Que sinal realizas,
para que possamos ver e crer em ti?'
Que obra fazes?
31Nossos pais comeram o maná no deserto,
como está na Escritura:
'Pão do céu deu-lhes a comer'.
32Jesus respondeu:
'Em verdade, em verdade vos digo,
não foi Moisés quem vos deu
o pão que veio do céu.
É meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu.
33Pois o pão de Deus é aquele que desce do céu
e dá vida ao mundo.'
34Então pediram:
'Senhor, dá-nos sempre desse pão'.
35Jesus lhes disse:
'Eu sou o pão da vida.
Quem vem a mim não terá mais fome
e quem crê em mim nunca mais terá sede.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Jo 6, 30-35

Quem vai até Jesus não terá mais fome e quem crer nele não terá mais sede. Jesus coloca à nossa disposição não os bens transitórios desse mundo, mas os verdadeiros bens, aqueles que são perenes, que são eternos. Por isso, é muito importante que as pessoas conheçam Jesus. Somente a partir do conhecimento da sua pessoa e do seu reconhecimento como Filho de Deus é que as pessoas poderão desfrutar dos dons do alto que o Pai nos concede por meio de Jesus e podem ter a verdadeira vida, pois ele é o Pão da Vida, o Pão da verdadeira saciedade, que sempre se dá a todos nós em alimento para a vida eterna.
Fonte CNBB



O PÃO QUE DESCE DO CÉU Jo 6,30-35
HOMILIA

No texto de ontem João terminava com a resposta de Jesus: Deus quer que vocês creiam naquele que ele enviou! Apesar do milagre da multiplicação dos pães e de tantos outros sinais ainda assim o povo o interroga: Que milagre o senhor vai fazer para a gente ver e crer no senhor? O que é que o senhor pode fazer? Os nossos antepassados comeram o maná no deserto, como dizem as Escrituras Sagradas: “Do céu ele deu pão para eles comerem.” Ante esta atitude chegamos a conclusão de que mesmo pedindo a Jesus pão do Céu, a multidão não desejava mais que pão terreno para esta vida e para fomes daqui.

Não será muitas vezes a nossa atitude diante de Jesus? Quando vamos à missa, quando rezamos em no grupo de oração, em casa, na adoração, no terço o que pedimos à Deus por meio de Jesus? Pão do céu ou terreno?

Quando o Senhor nos chama a fazer qualquer coisa de grande novidade, nasce sempre em nós alguma resistência, desviando a nossa atenção para não assumirmos o risco que isso implica. E então resmungamos, reclamamos e pedimos que ele dê provas da sua ação na nossa vida: Que milagre o senhor vai fazer para a gente ver e crer no senhor? O que é que o senhor pode fazer?

Mas, Jesus não se assusta diante disso, conduz-nos pacientemente a colher e a gostar da beleza e do “pouco” que Ele sempre nos oferece. É como se dissesse: é verdade que Moisés recebeu grandes dons, mas aquilo que o Pai vos quer dar agora, em Mim, é infinitamente maior. Trata-se do pão que Deus dá. Do pão que desce do céu e dá vida ao mundo.

Jesus revela em nós o desejo interior de recebermos o seu dom, ainda que não compreendamos o fim e a profundidade do seu conteúdo e das suas implicações. É o que acontece na Eucaristia: se nos aproximamos dela para nosso alimento, não é porque a compreendamos totalmente, mas só porque o Senhor nos fez descobrir que nela Ele nos dá o seu amor.

Ele próprio diz: Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim nunca mais terá fome, e quem crê em mim nunca mais terá sede é o pão de Deus é o que desce do Céu para dar a vida ao mundo.

Meu irmão minha irmã apesar de a minha e a tua vida estar sujeita a tantas fomes e misérias, apesar de  muita gente não quer ouvir falar de vida melhor para além desta. Eu, te convido a pedir ao Senhor não o pão deste mundo, mas o que desceu do céu e sobretudo a dizer como o salmista: em vossas mãos, Senhor, entrego a minha vida» aqui, em troca dessa.
Fonte Canção Nova