sábado, 28 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Lc 7,1-10 - 29.05.2016 - Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.

9º DOMINGO
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Lc 7,1-10

Nem mesmo em Israel encontrei tamanha fé.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 7,1-10

Naquele tempo:
1Quando acabou de falar ao povo que o escutava,
Jesus entrou em Cafarnaum.
2Havia lá um oficial romano
que tinha um empregado a quem estimava muito,
e que estava doente, à beira da morte.
3O oficial ouviu falar de Jesus
e enviou alguns anciãos dos judeus,
para pedirem que Jesus viesse salvar seu empregado.
4Chegando onde Jesus estava,
pediram-lhe com insistência:
'O oficial merece que lhe faças este favor,
5porque ele estima o nosso povo.
Ele até nos construiu uma sinagoga.'
6Então Jesus pôs-se a caminho com eles.
Porém, quando já estava perto da casa,
o oficial mandou alguns amigos dizerem a Jesus:
'Senhor, não te incomodes,
pois não sou digno de que entres em minha casa.
7Nem mesmo me achei digno
de ir pessoalmente ao teu encontro.
Mas ordena com a tua palavra,
e o meu empregado ficará curado.
8Eu também estou debaixo de autoridade,
mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens.
Se ordeno a um : 'Vai!', ele vai;
e a outro: 'Vem!', ele vem;
e ao meu empregado 'Faze isto!', e ele o faz'.'
9Ouvindo isso, Jesus ficou admirado.
Virou-se para a multidão que o seguia, e disse:
'Eu vos declaro que nem mesmo em Israel
encontrei tamanha fé.'
10Os mensageiros voltaram para a casa do oficial
e encontraram o empregado em perfeita saúde.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Saber Pedir
HOMILIA



O Evangelho (Lc 7, 1-10) apresenta-nos a figura de um centurião que é modelo de muitas virtudes: fé, humildade, confiança no Senhor.

Este centurião é também para nós um exemplo de homem que sabe pedir. A fé deste homem arrancou a admiração de Jesus, porque se diz que “Jesus ficou admirado”.

É uma fé humilde. A humildade deste homem é verdadeiramente surpreendente e transparece em tantos particulares (Não só nas famosas palavras: Eu não sou digno…, antes de tudo da relação que há entre ele e seu servo: aquele servo não é uma coisa, mas uma pessoa, um amigo(“a quem prezava”); por ele, se dispõe pessoalmente, e esta é humildade, da melhor qualidade! Indica que, também na vida, ele não é um homem que olha os outros do alto de seu cargo, não faz pesar sua superioridade, mas sabe colocar-se ao lado dos mais humildes. Em segundo lugar, ele não vai pessoalmente a Jesus, porque, como pagão, se considera indigno de comparecer à sua frente.

É a própria fé deste homem que é humilde; tem uma fé  capaz de deslocar montanhas, e não o percebe, aliás, parece até se envergonhar, porque tenta justificá-la. Como se dissesse: nenhum mérito há de minha parte em crer que tu podes curar meu servo; vejo como me obedecem meus súditos!

Mas exatamente aqui está o milagre de sua fé que arranca a admiração de Jesus: “Também eu estou debaixo de autoridade, mas tenho soldados que obedecem às minhas ordens. Se ordeno a um: Vai, ele vai; e a outro: Vem! ele vem; e ao meu empregado: Faze isto!, ele o faz” (Lc 7, 8). A lógica é clara: ele responde pelos próprios atos diante de seu superior, este por sua vez ao governador local, que por fim responde a César, em Roma. A autoridade que se espera seja exercida por Jesus se encontra nas mesmas condições. A argumentação é notável!

Este homem entendeu – certamente pelo dom do Espírito Santo – que os milagres de Jesus brotam de sua obediência ao Pai e isto, em Israel, não o tinha entendido ninguém, nem mesmo os discípulos mais íntimos! Entende-se por que Jesus ficou comovido.

O ensinamento mais importante desse texto evangélico é a fé do centurião; a qualidade daquela fé! É uma fé humilde, sim, mas corajosa; dir-se-ia até mal-educada, indiscreta, segura demais de si, se isto não resultasse que a Jesus agradava exatamente assim: “Em verdade, vos digo: se alguém disser a esta montanha: arranca-te e joga-te no mar, sem duvidar no coração, mas acreditando que vai acontecer, então acontecerá” (Mc 11,23). O dito de Jesus quer dizer que a fé faz superar todos os obstáculos; que entre o que Deus pede ao homem com a fé e aquilo que ele está disposto a lhe dar há a mesma desproporção que existe entre um grãozinho de mostarda e um monte que se desloca.

O centurião colocou seu servo nas mãos de Jesus; sabia que não podia fazer outra coisa a não ser o bem: e voltando para a casa do centurião os que haviam sido enviados, encontraram o servo curado.

Eis o ensinamento do Evangelho de hoje: crer de maneira simples e corajosa, ousar muito em matéria de fé, pedir “sem duvidar.”

Nossa fé é, muitas vezes, extremamente intelectual, muito cerebral; consiste em crer que aquilo que Deus falou seja verdadeiro(crer na veracidade de Deus), mas não em crer que o que prometeu acontecerá (crer no poder de Deus). Enfim, falta-nos a fé nos milagres.

Revistamo-nos da humildade do centurião com aquelas palavras que ele foi o primeiro a dizer e que atravessaram os séculos até nós: Senhor, não sou digno; mas abracemos também sua fé: Dize somente uma palavra e eu ficarei curado.

Mons. José Maria Pereira
Fonte Presbíteros

Leia também:
Mensagens de Fé

sexta-feira, 27 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Mc 11,27-33 - 28.05.2016 - Com que autoridade fazes essas coisas?

Sábado da 8ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Mc 11,27-33

Com que autoridade fazes essas coisas?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 11,27-33

Naquele tempo:
27Jesus e os discípulos foram de novo a Jerusalém.
Enquanto Jesus estava andando no Templo,
os sumos sacerdotes, os mestres da Lei e os anciãos
aproximaram-se dele e perguntaram:
28'Com que autoridade fazes essas coisas?
Quem te deu autoridade para fazer isso?'
29Jesus respondeu: 'Vou fazer-vos uma só pergunta.
Se me responderdes, eu vos direi
com que autoridade faço isso.
30O batismo de João vinha do céu ou dos homens?
Respondei-me.'
31Eles discutiam entre si:
'Se respondermos que vinha do céu, ele vai dizer:
'Por que não acreditastes em João?'
32Devemos então dizer que vinha dos homens?'
Mas eles tinham medo da multidão,
porque todos, de fato, tinham João na qualidade de profeta.
33Então eles responderam a Jesus: 'Não sabemos.'
E Jesus disse: 'Pois eu também não vos digo
com que autoridade faço essas coisas.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 11, 27-33
O Evangelho de hoje nos mostra os sumos sacerdotes, os fariseus e os doutores da lei questionando Jesus sobre sua autoridade. Muitas vezes, vemos pessoas que duvidam das verdades da fé e questionam o próprio Deus sobre a legitimidade de suas ações e de seus princípios, mas se formos analisar mais a fundo a vida das pessoas que manifestam tal atitude, veremos que na verdade as suas vidas é que apresentam aspectos contraditórios porque os seus princípios de vida não são legítimos. Essas pessoas querem, na verdade, legitimar a sua vida marcada pelo erro e pelo pecado, por princípios que, na verdade, encontram o seu fundamento unicamente no egoísmo.
Fonte CNBB


A verdadeira autoridade vem de Deus
HOMILIA

A verdadeira autoridade vem de Deus. Por isso, para ser justa e correta, a autoridade que exercemos precisa ter testemunho de vida e estar de acordo com a Palavra de Deus.

“Com que autoridade fazes essas coisas? Quem te deu autoridade para fazer isso?” (Marcos 11, 28).

Amados irmãos e irmãs em Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, as autoridades da época de Jesus – os príncipes, os sacerdotes, os escribas e os anciãos – questionam a autoridade de Jesus. Questionam a autoridade que Ele tem para pregar, para curar e para fazer seja o que for. É como se dissessem: “De onde vem a autoridade de Jesus para fazer isso?”. E por isso eles se aproximam do Mestre para realmente saber do coração d’Ele quem Lhe deu tamanha liberdade, tamanha autoridade para fazer o que fazia.

Jesus apenas os escuta, apenas acolhe de bom coração aquilo que perguntam a Ele e lhes responde com uma pergunta bem intrigante: “O batismo que  João pregou veio do céu ou dos homens?” (Marcos 11, 30).

Primeiramente, não basta questionar, é preciso saber a intenção dos nossos questionamentos: se estes possuem uma intenção reta, justa, correta ou uma intenção maliciosa e maldosa. Porque o que essas autoridades fazem, na verdade, é querer desmoralizar Jesus e colocá-Lo numa situação embaraçosa. É como se Ele lhes dissesse: “Então respondam por vocês mesmos: de que forma vocês encararam o que João Batista fazia?”.

Mesmo sem querer admitir, esses homens sabiam que não era um batismo meramente humano aquele que João Batista fazia. Então, para questionar a autoridade de Jesus, é preciso ter mais autoridade do que Ele! Mas a “autoridade” aqui não é a autoridade no sentido de mandar e de receber uma autoridade humana, civil, mas se trata de uma autoridade moral, se trata de uma autoridade vinda do alto, se trata de uma autoridade que vem da própria vida.

A autoridade é justa e correta quando aquilo que a pessoa faz, realiza e fala está de acordo com a vida que ela leva, por isso ela tem autoridade e moral. Muitas vezes, os pais perdem a autoridade diante dos filhos porque só falam e não dão exemplo e não são espelho para os seus. Da mesma forma, professores, autoridades e seja quem for, não basta querer que as pessoas obedeçam leis, ensinamentos e cobranças quando o exemplo não vem de cima.

As autoridades da época de Jesus saíram todas caladas, não podiam questionar muito porque não tinham exemplos para dar. Nós devemos nos perguntar  – as autoridades de hoje e a autoridade que nós exercermos na nossa casa, em nosso trabalho, na Igreja, na pastoral e onde estamos – nós temos autoridade moral para falar algo ou cobrar algo de alguém?

Deus abençoe você!
Fonte Canção Nova

Leia também:
Mensagens de Fé

quinta-feira, 26 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Mc 11,11-26 - 27.05.2016 - Minha casa será chamada casa de oração para todos os povos. Tende fé em Deus.

6ª-feira da 8ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Mc 11,11-26

Minha casa será chamada casa de oração
para todos os povos. Tende fé em Deus.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 11,11-26

Tendo sido aclamado pela multidão,
11Jesus entrou, no Templo, em Jerusalém, e observou tudo.
Mas, como já era tarde, saiu para Betânia com os doze.
12No dia seguinte, quando saíam de Betânia, Jesus teve fome.
13De longe, ele viu uma figueira coberta de folhas
e foi até lá ver se encontrava algum fruto.
Quando chegou perto, encontrou somente folhas,
pois não era tempo de figos.
14Então Jesus disse à figueira:
'Que ninguém mais coma de teus frutos.'
E os discípulos escutaram o que ele disse.
15Chegaram a Jerusalém.
Jesus entrou no Templo e começou a expulsar
os que vendiam e os que compravam no Templo.
Derrubou as mesas dos cambistas
e as cadeiras dos vendedores de pombas.
16Ele não deixava ninguém carregar nada através do Templo.
17E ensinava o povo, dizendo:
'Não está escrito: 'Minha casa será chamada casa de oração
para todos os povos'?
No entanto, vós fizestes dela uma toca de ladrões.'
18Os sumos sacerdotes e os mestres da Lei ouviram isso
e começaram a procurar uma maneira de o matar.
Mas tinham medo de Jesus,
porque a multidão estava maravilhada com o ensinamento dele.
19Ao entardecer, Jesus e os discípulos saíram da cidade.
20Na manhã seguinte, quando passavam,
Jesus e os discípulos viram
que a figueira tinha secado até a raiz.
21Pedro lembrou-se e disse a Jesus:
'Olha, Mestre: a figueira que amaldiçoaste secou.'
22Jesus lhes disse: 'Tende fé em Deus.
23Em verdade vos digo, se alguém disser a esta montanha:
'Levanta-te e atira-te no mar',
e não duvidar no seu coração,
mas acreditar que isso vai acontecer,
assim acontecerá.
24Por isso vos digo, tudo o que pedirdes na oração,
acreditai que já o recebestes, e assim será.
25Quando estiverdes rezando,
perdoai tudo o que tiverdes contra alguém,
para que vosso Pai que está nos céus
também perdoe os vossos pecados.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 11, 11-26
O Evangelho de hoje nos leva a questionar se a Igreja é para nós o local privilegiado para o encontro com Deus e o crescimento da fé ou é o local de práticas que têm por finalidade a nossa promoção pessoal, o lucro, a competição e a concorrência entre as pessoas, o desenvolvimento de sentimentos como ciúmes, rancor, raiva, ira, inveja, etc. A Igreja deve ser o local onde se cria comunhão entre nós e o próprio Deus e entre nós mesmos, como irmãos e irmãs. Tudo o que diverge disso não corresponde ao plano de Deus e faz com que a nossa presença na Igreja seja ocasião de pecado.
Fonte CNBB


Que nossa fé produza bons frutos
HOMILIA

Que nossa fé produza bons frutos, porque uma fé sem frutos é como uma árvore sem vida. Para nossa fé não morrer precisamos ter fé em Deus e vida de oração.

“Por isso, vos digo: tudo o que pedirdes na oração crede que o tendes recebido, e vos será dado” (Marcos 11, 24).

Na narração do Evangelho de hoje, podemos nos assustar com a ação de Jesus ao amaldiçoar uma figueira, mesmo talvez não sendo época dessa árvore de dar frutos. É uma parábola muito interessante e cheia de significados para nós aquilo que aconteceu com a figueira. Ela murchou e se encolheu porque perdeu a vida e, assim, não produzia frutos.

Um cristão, um homem e uma mulher de fé, pode passar por muitas provações, dificuldades, dias difíceis na vida e tentações em sua fé, assim por diante, mas em todas as épocas a fé dessa pessoa não pode deixar de dar frutos! Porque uma fé que não dá frutos é uma árvore que não tem mais vida: morreu e secou. E não podemos deixar nossa fé morrer, não podemos deixar nossa fé secar!

Daí o convite que o Senhor nos faz hoje, pela Sua Palavra, para que os nossos frutos venham por intermédio da nossa fé. E que frutos uma pessoa de fé, um homem ou uma mulher devem produzir? Primeira coisa é o de  ter uma confiança inabalável em Deus; o mundo pode cair, o mundo pode se autodestruir, o mundo ao nosso lado pode se ruir, mas a nossa confiança no Senhor deve ser sempre a mesma e maior do que nunca! Ou seja, confiança firme, inabalável, sabemos que o Senhor é o Senhor, ainda que tenhamos que passar por provações, por momentos difíceis em nossa própria vivência da fé, mas não percamos a nossa confiança no Senhor.

Outro fruto muito importante que uma pessoa de fé deve produzir é: ter uma vida de oração. Orar com vontade de orar, orar sem vontade de orar, mas, orar, porque não há confiança e não há fé no Senhor se esta não for alimentada pela oração! E a partir da oração, vem a força do perdão, quem ora perdoa, quem ora em espírito e verdade tem força para perdoar sempre; a si mesmo, ao próximo e até Deus se estivermos magoados e ressentidos com Ele.

O homem de oração se põe de pé para orar e sua oração começa primeiro já perdoando alguém de algum ressentimento. O homem de fé combate, derruba os muros, os morros, as montanhas de ressentimentos que aparecem em tantas situações de sua vida. Talvez, humanamente, nós não consigamos derrubar nenhum morro, nenhuma montanha, mas já que aparecem tantas decepções, mágoas, ressentimentos em nossa vida e nos falta força para vencer, para superar ou para perdoar, tenhamos a certeza de que nada é impossível àquele que crê!

E uma vez que tudo o que pedirmos ao Pai, Ele há de nos conceder e se dissermos a esta montanha: “Saia daqui e vá para ali!” e ela for de acordo com a Palavra (cf. Mc 11, 24), podemos dizer: “Sai ressentimento! Sai do meu coração! Vá para longe de mim!”, porque, no poder do Senhor, a montanha de ressentimento irá sair!

Deus abençoe você!
Fonte Canção Nova

Leia também:
Mensagens de Fé

quarta-feira, 25 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Lc 9,11b-17 - 26.05.2016 - Todos comeram e ficaram satisfeitos.

Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo Tempo Comum
Cor: Branco

Evangelho - Lc 9,11b-17

Todos comeram e ficaram satisfeitos.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas 9,11b-17

Naquele tempo:
11bJesus acolheu as multidões,
falava-lhes sobre o Reino de Deus
e curava todos os que precisavam.
12A tarde vinha chegando.
Os doze apóstolos aproximaram-se de Jesus
e disseram: 'Despede a multidão,
para que possa ir aos povoados e campos vizinhos
procurar hospedagem e comida,
pois estamos num lugar deserto.'
13Mas Jesus disse: 'Dai-lhes vós mesmos de comer.'
Eles responderam:'Só temos cinco pães e dois peixes.
A não ser que fôssemos comprar comida
para toda essa gente.'
14Estavam ali mais ou menos cinco mil homens.
Mas Jesus disse aos discípulos:
'Mandai o povo sentar-se em grupos de cinqüenta.'
15Os discípulos assim fizeram, e todos se sentaram.
16Então Jesus tomou os cinco pães e os dois peixes,
elevou os olhos para o céu, abençoou-os, partiu-os
e os deu aos discípulos para distribuí-los à multidão.
17Todos comeram e ficaram satisfeitos.
E ainda foram recolhidos doze cestos
dos pedaços que sobraram.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Lc 9, 11-17
A Eucaristia é o grande alimento que Jesus deixou à sua Igreja para ser distribuído, em todos os tempos e lugares, a todas as pessoas, a fim de que sejam satisfeitas no sentido da presença da graça em suas vidas. É da responsabilidade de todos nós, que no sacramento do batismo nos tornamos Igreja, a distribuição desse alimento. Quando se fala em distribuição da Eucaristia, logo as pessoas pensam nos ministros extraordinários da comunhão eucarística, mas todos devem, ao seu modo, colaborar para que todas as pessoas possam receber este sacramento. Porém, o modo comum em que todos podem e devem colaborar é o trabalho evangelizador, a fim de que todas as pessoas conheçam Jesus e queiram recebê-lo sacramentalmente.
Fonte CNBB


Solenidade de Corpus Christi
HOMILIA

Uma das inteligências mais privilegiadas da história do pensamento humano foi, sem dúvida, Santo Tomás de Aquino; já em vida, teve um enorme prestígio. A sua obra filosófica e teológica continua sendo uma referência obrigatória. Quando o Papa Urbano IV lhe propôs ser cardeal, Fr. Tomás não quis aceitar tal dignidade. O Papa perguntou-lhe se recusava o título por razões de humildade, ao que Tomás de Aquino respondeu: “-Não, Santo Padre. Na verdade, eu desejo algo maior”. O Papa surpreendido disse: “-Você quer ser Papa?”. Então Santo Tomás manifestou o seu desejo: “-O que eu quero é que a festa de Corpus Christi se estenda a toda a Igreja”. O Papa, antes de responder, ficou um pouco meditativo; depois lhe disse: “-Pedis muito, Tomás, mas o farei se me prometerdes encarregar-vos da composição da liturgia da festa”. E assim foi! A festa de Corpus Christi começou a celebrar-se em toda a Igreja Católica por meio da Bula Transiturus, de Urbano IV, do dia 8 de setembro de 1264, e os belíssimos textos que a liturgia da Igreja tem para essa solenidade, tanto na Missa como na Liturgia das Horas, foram escritos por esse grande Santo.

No dia de hoje, ao participarmos da Santa Missa e sairmos às ruas em Procissão, façamo-lo com fé, com amor, com devoção, com dignidade, em espírito de adoração. Sejamos esmeradamente cuidadosos com o Corpo e o Sangue de Deus. Somente se soubermos cuidar o Corpo Eucarístico do Senhor, cuidaremos da maneira que convém do Corpo Místico de Cristo, que é a Igreja, e dos nossos irmãos numa verdadeira fraternidade e solidariedade. Dediquemos ao culto eucarístico os nossos melhores esforços, os melhores ornamentos, os melhores cálices, os melhores cantos. Tudo para Deus!

Como outrora, Jesus nos recebe e nos fala do Reino, cura as nossas enfermidades e nos dá de comer (cfr. Lc 9,11-17). No Sacramento da Eucaristia podemos experimentar essa realidade: Deus está não somente perto de nós, mas dentro de nós. “O Senhor esteja convosco” – nos diz o sacerdote em cada celebração da Eucaristia. Agradecemos a Deus pela sua presença, pelo seu amor, pela sua misericórdia, pela sua amizade?

Recordemos: no momento em que o sacerdote pronuncia as palavras da consagração sobre o pão e o vinho, esses elementos se convertem no Corpo e no Sangue adoráveis de Jesus Cristo. Depois da consagração já não há mais pão, há somente o Corpo de Cristo; não há mais vinho, mas tão somente o Sangue de Cristo. Junto com Jesus, se fazem presentes o Pai e o Espírito Santo porque onde está uma Pessoa da Santíssima Trindade estão as outras duas. Na espécie do pão está todo o Cristo, na do vinho também. Em cada fragmento das espécies do pão e em cada gota da espécie do vinho está Cristo inteiro. Quem comunga somente a espécie do pão, recebe também o seu Sangue e toda a realidade que comporta esse sacramento; quem recebe somente a espécie do vinho, recebe também todo o Cristo. Ao partir-se a hóstia, não partimos a Cristo, pois não se trata de uma presença física de Cristo, mas de uma presença misteriosa, que a teologia chama de presença substancial.

Diante da presença de Jesus Cristo, sejamos educados, corteses, elegantes. Ao entrar na igreja, não nos esqueçamos de usar um pouco da água benta disposta nas paróquias para esse fim, a água benta nos lembra o nosso batismo e nos livra das ciladas do demônio. Em seguida, procuremos onde está o Sacrário e façamos uma genuflexão pausada diante do nosso Deus; que seja uma genuflexão bem feita, isto é, dobrando joelho direito até o chão (não é jeitoso benzer-se ao mesmo tempo, primeiro se faz a genuflexão e depois se benze, ou ao contrário). Não conversemos dentro da Igreja, caso seja necessário falar algo com alguém, façamo-lo em voz baixa. É de boa educação chegar uns minutinhos antes na Missa, dessa maneira manifestamos que nós esperamos a Jesus. Escutemos com atenção as leituras. Às palavras da consagração, está previsto que nos ajoelhemos e não que fiquemos de pé (a não ser que haja alguma causa justa; neste caso, pelo menos façamos uma “inclinação profunda enquanto o sacerdote faz genuflexão após a consagração”); caso se receba a comunhão de pé, é bom fazer alguma reverência antes de recebê-la. Depois da comunhão, não nos esqueçamos de dar graças a Deus, normalmente se recomenda pelo menos uns 10 minutinhos em oração depois de comungar. Também seria muito bom se nos acostumássemos a fazer visitas a Jesus no Sacrário, pois frequentemente o Senhor está muito sozinho nos Sacrários das nossas igrejas e, além do mais, ele está aí por você e por mim. Enfim, tenho certeza que o amor a Deus que está em nossos corações nos sugerirá outros detalhes de carinho para com Jesus na Santíssima Eucaristia. Quem ama é criativo!

Pe. Françoá Rodrigues Figueiredo Costa
Fonte Presbíteros

Leia também:
Mensagens de Fé

terça-feira, 24 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Mc 10,32-45 - 25.05.2016 - Eis que estamos subindo para Jerusalém, e o Filho do Homem vai ser entregue.

4ª-feira da 8ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Mc 10,32-45

Eis que estamos subindo para Jerusalém,
e o Filho do Homem vai ser entregue.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 10,32-45

Naquele tempo:
32Os discípulos estavam a caminho
subindo para Jerusalém.
Jesus ia na frente.
Os discípulos estavam espantados,
e aqueles que iam atrás estavam com medo.
Jesus chamou de novo os Doze à parte
e começou a dizer-lhes o que estava para acontecer com ele:
33'Eis que estamos subindo para Jerusalém,
e o Filho do Homem vai ser entregue
aos sumos sacerdotes e aos doutores da Lei.
Eles o condenarão à morte e o entregarão aos pagãos.
34Vão zombar dele, cuspir nele, vão torturá-lo e matá-lo.
E depois de três dias ele ressuscitará.'
35Tiago e João, filhos de Zebedeu,
foram a Jesus e lhe disseram:
'Mestre, queremos que faças por nós o que vamos pedir.'
36Ele perguntou:
'O que quereis que eu vos faça?'
37Eles responderam:
'Deixa-nos sentar um à tua direita e outro à tua esquerda,
quando estiveres na tua glória!'
38Jesus então lhes disse:
'Vós não sabeis o que pedis.
Por acaso podeis beber o cálice que eu vou beber?
Podeis ser batizados com o batismo
com que vou ser batizado?'
39Eles responderam: 'Podemos.'
E ele lhes disse:
'Vós bebereis o cálice que eu devo beber,
e sereis batizados com o batismo
com que eu devo ser batizado.
40Mas não depende de mim conceder
o lugar à minha direita ou à minha esquerda.
É para aqueles a quem foi reservado'.
41Quando os outros dez discípulos ouviram isso,
indignaram-se com Tiago e João.
42Jesus os chamou e disse:
'Vós sabeis que os chefes das nações as oprimem
e os grandes as tiranizam.
43Mas, entre vós, não deve ser assim:
quem quiser ser grande, seja vosso servo;
44e quem quiser ser o primeiro, seja o escravo de todos.
45Porque o Filho do Homem não veio para ser servido,
mas para servir e dar a sua vida como resgate para muitos.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 10, 32-45
Todas as pessoas querem, e muito, participar da glória de Deus, mas poucas pessoas querem assumir um compromisso maior com o reino de Deus. O evangelho de hoje nos mostra um pouco isso quando Jesus anuncia o mistério da cruz, mas os discípulos estão mais interessados na sua participação na sua glória. Assim, nos dias de hoje nós vemos muitas pessoas exaltando o amor de Deus, cantando os seus louvores, mas sem o menor compromisso com o serviço ao Reino de Deus, principalmente no que se refere à questão dos pobres, dos sofredores, dos marginalizados e dos excluídos.Todos querem ser os maiores, mas poucos estão dispostos a servir.
Fonte CNBB


ANÚNCIO DA MORTE E RESSURREIÇÃO DE JESUS Mc 10,32-45
HOMILIA

Estamos caminhando na trajetória de dialogar, conhecer e aprofundar mais de perto a proposta do Evangelho de São Marcos. Espero que essa caminhada possa iluminar o nosso cotidiano dando respostas aos presentes desafios da realidade. Para entender melhor o texto de hoje é preciso fazer uma releitura dos três anúncios da Paixão Morte e Ressurreição de Jesus. Assim, convido a você fazer uma caminhada através dos três anúncios da paixão de Jesus: Mc 8,27-38; Mc 9,30-37; e finalmente Mc 10,32-45 que é o Evangelho de hoje.
Com a paixão de Jesus ao longo do caminho, podemos compreender e dar razão à nossa fé na pessoa e na missão de Jesus de Nazaré. A paixão de Jesus está presente nas paixões de tantas pessoas que vivem nas comunidades, nas pastorais e nos movimentos sociais que testemunham radicalmente o projeto libertador de Jesus de Nazaré. Assim, os anúncios da paixão se tornam o cerne, o núcleo da fé cristã na perspectiva da ressurreição. É a ressurreição a força motivadora para os discípulos superarem as contradições, as dificuldades e os desafios da caminhada.
É no caminho de Cesárea de Felipe (8,27 a) para Jerusalém (10,32) que Jesus ensinará os discípulos sobre as implicações do seu projeto. Ele mostrará como devemos segui-lo mediante os conflitos, crises e desafios. A pedagogia de Jesus será um processo de contínua partilha e ensinamentos no caminho. Para isso, ele precisou ficar sozinho com os discípulos a fim de catequizá-los. É no caminho que a sua catequese, a sua formação ocorrerá. Será uma longa catequese sobre o “seguimento”.
A comunidade de Marcos é marcada por uma experiência de conflitos e crises. Diante disto, ela constrói a imagem de Jesus. Por isso que em Mc 8,27-30, Jesus no auge da crise, quis avaliar a caminhada da sua comunidade fazendo uma pergunta simples e direta: “Quem dizem os homens que eu sou?”.
Estão subindo para Jerusalém e, embora já saibam qual seria o destino de Jesus, acontece o anuncio: “...o Filho do Homem vai ser entregue aos chefes dos sacerdotes e aos doutores da Lei. Eles condenarão à morte e o entregarão aos pagãos. Vão caçoar dele, cuspir nele, vão torturá-lo e matá-lo. E depois de três dias ele ressuscitará”.(cf.10,33-34). Esse último anúncio mostrará claramente que o seguimento de Jesus não tem privilégios como pensavam os discípulos, porque a caminhada é marcada não só de glória. Passa pela coragem de deixar tudo para suportar a opção de vida que levará ao longo do caminho. O caminho de Jesus será marcado de rejeição, de perseguição, de luta e de sofrimento. Essas são as condições para se chegar à glória.
E para, definitivamente, mostrar que para seguí-lo é preciso muitas vezes ser curado da surdez e da cegueira, estas estavam presentes durante todo o caminho. Por isso estava difícil que os discípulos compreendessem a mensagem de Jesus a respeito da sua paixão como condição de seguí-lo.
Portanto, os três anúncios da paixão de Jesus se encerra com a cura do cego de Jericó (10,46-52). O cego curado se põe a “seguir a Jesus pelo caminho”, o que não fizera o cego de Betsaida, no capítulo 8, e nem o homem rico. Bartimeu é apresentado, assim, como modelo do discípulo. Jesus cura e ilumina seus discípulos, tornando-os capazes de seguí-lo.
Pai, a exemplo de Jesus, transforma-me em servidor de meus semelhantes, e não me deixes ter medo de colocar minha vida a serviço de quem precisa de mim.
Fonte PADRE BANTU MENDONÇA KATCHIPWI SAYLA

Leia também:
Mensagens de Fé

segunda-feira, 23 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA _ Evangelho - Mc 10,28-31 - 24.05.2016 - Receberá cem vezes mais agora, durante esta vida com perseguições e, no mundo futuro, a vida eterna.

3ª-feira da 8ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Mc 10,28-31

Receberá cem vezes mais agora, durante esta vida
com perseguições e, no mundo futuro, a vida eterna.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 10,28-31

Naquele tempo:
28Começou Pedro a dizer a Jesus:
'Eis que nós deixamos tudo e te seguimos.'
29Respondeu Jesus:
'Em verdade vos digo,
quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos,
campos, por causa de mim e do Evangelho,
30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida
- casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos,
com perseguições -
e, no mundo futuro, a vida eterna.
31Muitos que agora são os primeiros serão os últimos.
E muitos que agora são os últimos serão os primeiros.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 10, 28-31
Eu posso contribuir para a minha salvação na medida em que eu faço de Deus o centro da minha vida e a causa da minha felicidade, submetendo-me totalmente a ele. Se eu vivo apegado às coisas do mundo, eu vivo em função delas e coloco nelas a minha felicidade, fechando o meu coração à ação divina e a minha vida ao projeto do reino dos céus. Para conseguir o desapego das coisas do mundo, é necessário que a gente procure assumir uma nova hierarquia de valores que faz com que sejamos capazes de desprezar os bens materiais, mas rejeitar os valores do mundo significa sofrer perseguições nesta vida. É preciso renunciar aos valores do mundo para ter a vida em Cristo.
Fonte CNBB


PEDRO Mc 10,28-31
HOMILIA

            O texto do Evangelho de ontem no qual Jesus apresentava a incapacidade dos homens e mulheres apegados aos bens seguirem Jesus, põe-se ao de hoje. Vemos Pedro a professar o seu despojamento de tudo para ir a traz do mestre: Veja! Nós deixamos tudo e seguimos o senhor.
Quero crer que nas palavras de Pedro, não só estavam as dos outros apóstolos ontem, como também estão as minhas e as tuas. Estão as palavras de todos nós quando nos desfazemos nos despimos dos nossos orgulhos, vaidades, soberbas. Assim como Pedro nos evangelhos, tomava decisões em nome da Comunidade dos Apóstolos, assim continua nos dias de hoje falando e nos representando.
            É necessário que tu e eu façamos nossa a proposta e escolha de Pedro abandonar o apego ao bem privado e gozar do bem partilhado, comunitário. Alías a partilha, o abandonar-se a si mesmo e o tomar a cruz todos os dias e seguir Jesus, é o caminho certo para a construção do mundo novo de justiça e paz.
            Cristo chama-nos, para nos justificar sem cessar; e cada vez mais, Ele quer santificar-nos e nos glorificar. Veja o que Ele diz: aquele que, por causa de mim e do evangelho, deixar casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou terras receberá muito mais, ainda nesta vida. Receberá cem vezes mais casas, irmãos, irmãs, mães, filhos, terras e também perseguições.
            Devemos compreendê-lo, mas somos lentos a dar-nos conta dessa grande verdade – que Cristo caminha de alguma forma no meio de nós e que, com a sua mão, os seus olhos, a sua voz, nos faz sinal para que o sigamos. Não percebemos que o seu apelo é qualquer coisa que tem lugar neste mesmo momento. Pensamos que teve lugar no tempo dos apóstolos; mas não acreditamos nele, não o ouvimos verdadeiramente para nós próprios.
            O seu chamado é atualíssimo e nos propõe vida em plenitude. Ele é a concretização de uma nova criação e de uma paz total entre os homens entre si e entre estes e Deus.
            Pai, dá-me a graça de entregar-me totalmente ao serviço do Reino, sem esperar outra recompensa além de saber-me amado por ti.
Fonte PADRE BANTU MENDONÇA KATCHIPWI SAYLA

Leia também:
Mensagens de Fé

domingo, 22 de maio de 2016

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Evangelho - Mc 10,17-27 - 23.05.2016 - Vende tudo o que tens e segue-me!

2ª-feira da 8ª Semana
Tempo Comum
Cor: Verde

Evangelho - Mc 10,17-27

Vende tudo o que tens e segue-me!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 10,17-27

Naquele tempo:
17Quando Jesus saiu a caminhar, veio alguém correndo,
ajoelhou-se diante dele, e perguntou:
'Bom Mestre, que devo fazer para ganhar a vida eterna?'
18Jesus disse: 'Por que me chamas de bom?'
Só Deus é bom, e mais ninguém.
19Tu conheces os mandamentos:
não matarás; não cometerás adultério; não roubarás;
não levantarás falso testemunho;
não prejudicarás ninguém;
honra teu pai e tua mãe!'
20Ele respondeu: 'Mestre, tudo isso
tenho observado desde a minha juventude.'
21Jesus olhou para ele com amor, e disse:
'Só uma coisa te falta:
vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres,
e terás um tesouro no céu.
Depois vem e segue-me!'
22Mas quando ele ouviu isso, ficou abatido
e foi embora cheio de tristeza,
porque era muito rico.
23Jesus então olhou ao redor e disse aos discípulos:
'Como é difícil para os ricos entrar no Reino de Deus!'
24Os discípulos se admiravam com estas palavras,
mas ele disse de novo:
'Meus filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus!
25É mais fácil um camelo passar pelo buraco de uma agulha
do que um rico entrar no Reino de Deus!'
26Eles ficaram muito espantados ao ouvirem isso,
e perguntavam uns aos outros:
'Então, quem pode ser salvo?'
27Jesus olhou para eles e disse:
'Para os homens isso é impossível, mas nóo para Deus.
Para Deus tudo é possível.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB


Reflexão - Mc 10, 17-27
O evangelho de hoje nos apresenta, no caso do jovem rico, um grave erro que pode ocorrer na vida de todos nós no que diz respeito à questão da salvação e que se refere ao sujeito da salvação. Às vezes, a gente escuta que as pessoas devem esforçar-se para se salvarem e eu penso que eu devo conseguir me salvar. Ora, ninguém salva a si próprio. Eu não posso ser o meu salvador. Os discípulos perguntaram: "Quem então poderá salvar-se?" A resposta de Jesus é: "Para os homens isso é impossível, mas não para Deus. Para Deus, tudo é possível". Não podemos confiar a nossa salvação nem em nós mesmos, nem nos outros e nem nos bens materiais, pois nada ou ninguém, a não ser o próprio Deus, podem nos salvar.
Fonte CNBB


Que o dinheiro esteja sempre a serviço do bem e da vida
HOMILIA

Que o dinheiro esteja sempre a serviço do bem e da vida, da igualdade, da promoção da vida e dos verdadeiros valores. E que não o idolatremos nem nos curvemos diante dele!

“Filhinhos, quão difícil é entrarem no Reino de Deus os que põem sua confiança nas riquezas” (Marcos 10, 24).

A Palavra de Deus, que vem hoje ao nosso encontro, quer nos fazer um profundo e sério questionamento: Qual é o lugar que os bens e as riquezas deste mundo ocupam em nosso coração? Porque não é o problema da riqueza e do dinheiro em si, dos bens materiais pelos bens materiais, mas o lugar que eles têm ocupado em nosso coração.

Veja, nós podemos até ser pessoas boas, honestas, justas, cumpridoras dos preceitos divinos, como era esse homem do Evangelho de hoje, mas precisamos saber a quem nós servimos, diante de quem nós nos curvamos, onde colocamos a nossa esperança, o nosso coração, nosso amor e nossos anseios.

O dinheiro é uma coisa necessária para a vida, para subsistência, para a sobrevivência a fim de que possamos agilizar as coisas de que precisamos para a nossa vida e para os nossos. No mundo em que vivemos ninguém vive sem dinheiro, mas o que não pode acontecer é vivermos somente para ele [o dinheiro], porque muitas pessoas se curvam diante do dinheiro, porque o dinheiro compra pessoas, ele vende as pessoas e manda nas relações humanas.

Aquilo que o homem viveu no Evangelho de hoje é um profundo e sério questionamento. Não é problema ele ser rico, mas sim a forma como a riqueza dá liberdade à sua vida.

Deixe-me dizer uma coisa a você: não há problema nenhum em ter dinheiro, mas há um sério problema em ser possuído pelo dinheiro, pela cobiça do ter mais e querer ser mais a partir daquilo que temos. Trabalhar honestamente, melhorar de vida, ter melhores condições para sua casa, para sua família, isso não é nenhum problema!

O problema tanto em quem é pobre como em quem é rico é medir a sua vida pelo dinheiro e pela cobiça desenfreada pelos bens. O problema está no lugar que o dinheiro ocupa em nossa vida. Quando o dinheiro nos rouba de Deus e ocupa o lugar de Deus em nosso coração, aí está a idolatria, aí está a perdição; aí está realmente a perda do sentido essencial da nossa vida.

Sirvamos a Deus de todo o nosso coração, de toda a nossa alma, com todo o nosso empenho, e trabalhemos por um mundo mais justo, mais honesto e mais igualitário. Trabalhemos para ter uma vida mais justa, digna e honesta para os nossos. Mas não sirvamos ao dinheiro e que ele esteja a serviço do bem, da igualdade, da promoção da vida, da promoção dos verdadeiros valores.

Só quem pode promover tudo isso é quem sabe usar o dinheiro para o bem e não é comandado por ele!

Deus abençoe você!
Fonte Canção Nova

Leia também:
Mensagens de Fé