sexta-feira, 19 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Mt 20,1-16a - 21.09.2014 - Estás com inveja porque eu estou sendo bom?

Pai,
que eu jamais me deixe levar
pelo espírito de ambição e de rivalidade,
convencido de que, no Reino,
somos todos iguais, teus filhos.
Verde. 25º DOMINGO Tempo Comum

Evangelho - Mt 20,1-16a

Estás com inveja porque eu estou sendo bom?

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Mateus 20,1-16a

Naquele tempo:
Jesus contou esta parábola a seus discípulos:
1'O Reino dos Céus é como a história do patrão
que saiu de madrugada
para contratar trabalhadores para a sua vinha.
2Combinou com os trabalhadores uma moeda de prata por
dia, e os mandou para a vinha.
3Às nove horas da manhã, o patrão saiu de novo,
viu outros que estavam na praça, desocupados,
4e lhes disse: 'Ide também vós para a minha vinha!
E eu vos pagarei o que for justo'.
5E eles foram. O patrão saiu de novo ao meio-dia
e às três horas da tarde, e fez a mesma coisa.
6Saindo outra vez pelas cinco horas da tarde,
encontrou outros que estavam na praça, e lhes disse:
`Por que estais aí o dia inteiro desocupados?'
7Eles responderam:
`Porque ninguém nos contratou'.
O patrão lhes disse:
`Ide vós também para a minha vinha'.
8Quando chegou a tarde, o patrão disse ao administrador:
`Chama os trabalhadores e paga-lhes uma diária a todos,
começando pelos últimos até os primeiros!'
9Vieram os que tinham sido contratados às cinco da tarde
e cada um recebeu uma moeda de prata.
10Em seguida vieram os que foram contratados primeiro,
e pensavam que iam receber mais.
Porém, cada um deles também recebeu uma moeda de prata.
11Ao receberem o pagamento,
começaram a resmungar contra o patrão:
12`Estes últimos trabalharam uma hora só,
e tu os igualaste a nós,
que suportamos o cansaço e o calor o dia inteiro'.
13Então o patrão disse a um deles:
`Amigo, eu não fui injusto contigo.
Não combinamos uma moeda de prata?
14Toma o que é teu e volta para casa!
Eu quero dar a este que foi contratado por último
o mesmo que dei a ti.
15Por acaso não tenho o direito de fazer o que quero
com aquilo que me pertence?
Ou estás com inveja, porque estou sendo bom?'
16aAssim, os últimos serão os primeiros,
e os primeiros serão os últimos.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



REFLEXÃO
Deus está perto de nós.

Onde está Deus, quando sofremos? Na nossa desolação, onde encontrar Deus? São perguntas que o trecho do livro do profeta Isaías busca responder. Este trecho do livro do profeta Isaías retrata a situação de desolação dos exilados, membros do povo de Deus, na Babilônia. Os longos anos do exílio faziam com que perdessem a esperança de um dia retornarem à Israel. Com isso, sentiam igualmente que Deus os tinha abandonado e se esquecido deles. A voz inspirada do profeta se levanta para dar ânimo: o Senhor se deixa encontrar, pois, Ele está perto (Is 55,6). Quando sofremos, em qualquer situação, Deus está perto de nós; e, se sofremos, Deus sofre com o nosso sofrimento. A vida do seu povo, a vida de cada um em particular, interessa a Deus. Mas é preciso abandonar a impiedade, isto é, um modo de proceder e agir que semeia o joio da maldade no seio mesmo da comunidade de fé, desestimulando os membros do povo de Deus da confiança no seu Senhor. É preciso centrar a vida e a esperança no desígnio salvífico de Deus.
Temos algum direito sobre a salvação? A salvação é oferecida a uns e não a outros? Deus faz distinção de pessoas? A salvação é retribuição pelo bem realizado? Na parábola dos operários da undécima hora, é o próprio patrão, dono da vinha, que em diferentes horas do dia sai às praças chamando os operários para o trabalho na sua vinha, até a última hora da jornada de trabalho. Em todos os tempos e a todos, indistintamente, Deus chama para participar da sua própria vida. A salvação é um dom: é o dono da vinha que chama operários para o trabalho na vinha. A murmuração dos que foram chamados primeiro a trabalhar na vinha, contra o patrão que pagou o mesmo salário para os últimos admitidos, é a expressão da dificuldade vivida pela comunidade cristã primitiva, sobretudo, entre judeo-cristãos e cristãos oriundos do mundo pagão. Todos igualmente recebem o dom da salvação, sem nenhum privilégio ou direito de precedência? Sim! Pois o verdadeiro salário não é contrapartida do trabalho realizado na vinha; o verdadeiro salário, isto é, a verdadeira recompensa, é ter sido chamado e admitido no Reino de Deus. O verdadeiro salário está em ser chamado a participar da vida divina. O amor de Deus não segue a lógica matemática de nossas atitudes: “meus planos não são vossos planos, vossos caminhos não são meus caminhos” (Is 55,8). A salvação é dom de Deus e, como tal, ela deve ser recebida e vivida.
Fonte Carlos Alberto Contieri, sj Paulinas



EU PAGAREI O QUE FOR JUSTO Mt 20,1-16a
HOMILIA

A parábola de hoje nasce da realidade agrícola do povo da Galiléia. Era uma região rica, de terra boa, - mas com o seu povo empobrecido, pois as terras estavam nas mãos de poucos, e a maioria trabalhava ou como arrendatários ou como “bóia-fria” como diríamos hoje. Embora a cena situe-se na Galiléia de dois mil anos atrás, bem poderia ser aqui como aí onde você mora hoje em dia. Apresenta uma situação de trabalhadores braçais desempregados, não por querer, mas “porque ninguém nos contratou”. Talvez haja uma diferença, comparando com a situação de hoje - na parábola, o salário combinado era uma moeda de prata, um denário, que na época era o suficiente para o sustento diário duma família - o que nem sempre se verifica hoje.
O dono de uma vinha chamou trabalhadores para a colheita. A uns chamou pela manhã, outros ao longo do dia e outros, ainda, no fim do dia. A todos, compromete-se com o mesmo pagamento. Naturalmente, aqueles que começaram a trabalhar ainda cedo reclamaram ao patrão por ter recebido o mesmo montante dos outros que trabalharam apenas uma pequena parte do dia. Para o patrão, porém, está feita justiça: pagou a todos conforme o combinado e, ademais, dispôs daquilo que é seu. Se, aos olhos do empregado que se considera lesado aquilo era injusto, ao patrão foi apenas um acerto de contas equânime, dentro dos limites que tinha estabelecido.
Jesus contou esta parábola para nos esclarecer como o pensamento de Deus difere da nossa mentalidade humana. Na administração das coisas do mundo existem critérios já estabelecidos em relação a quem faz mais, a quem faz menos. Para Deus o que importa é a decisão do momento. Quem começa mais cedo tem a mesma paga de quem começou mais tarde. A salvação é para hoje, agora. Os que abraçam a salvação mais cedo têm a recompensa de conhecerem o reino dos céus primeiro. E quando fazemos a experiência de salvação percebemos que nenhum dinheiro do mundo paga o que alcançamos.
Muitas vezes assumimos o papel dos trabalhadores que reclamam por ter trabalhado tanto enquanto outros que não sofreram as mesmas penas recebem a mesma recompensa. Assim o é na vida civil e na vida cristã. Mas, para Deus, não importa o “tempo de casa” ou aquilo tudo que já demos: importa com que amor o demos, com que dedicação o fizemos. Além disso, o Senhor nos dá a Sua graça e esta Ele dispõe como deseja. Essa é a aparente contradição: a perspectiva humana entende que o pagamento deve ser correspondente ao tempo ou à responsabilidade do trabalho. Deus, não. Ele entende que pode dispor do que é seu e dá a cada um como considera o seu merecimento.
Portanto, não precisamos questionar a recompensa que Deus dá àqueles “pecadores” que nós julgamos os piores do mundo, pelo contrário devemos também sair pelo mundo a fora em busca dos “trabalhadores de última hora” a fim de que encontrem a Jesus e recebam a salvação para as suas almas.
Você conhece alguém que ainda não foi contratado para trabalhar na vinha do Senhor? Por que não chamá-lo?- Você já se sente contratado (a) e recompensado.
Pai, que eu jamais me deixe levar pelo espírito de ambição e de rivalidade, convencido de que, no Reino, somos todos iguais, teus filhos.
Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 8,4-15 - 20.09.2014 - E o que caiu em terra boa são aqueles que, conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.

Pai,
reconhecendo o quanto me custa
ser fiel ao projeto do Reino,
peço-lhe a graça de ser fiel até o fim,
perseverando no compromisso assumido contigo.
Vermelho. Sábado da 24ª Semana Tempo Comum
Ss. André Kim Taegon Presb, Paulo Chong Hasang e Comps. Mts. memória

Evangelho - Lc 8,4-15

E o que caiu em terra boa são aqueles que, conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,4-15

Naquele tempo:
4Reuniu-se uma grande multidão,
e de todas as cidades iam ter com Jesus.
Então ele contou esta parábola:
5'O semeador saiu para semear a sua semente.
Enquanto semeava, uma parte caiu à beira do caminho;
foi pisada e os pássaros do céu a comeram.
6Outra parte caiu sobre pedras;
brotou e secou, porque não havia umidade.
7Outra parte caiu no meio de espinhos;
os espinhos cresceram juntos, e a sufocaram.
8Outra parte caiu em terra boa;
brotou e deu fruto, cem por um.'
Dizendo isso, Jesus exclamou:
'Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.'
9Os discípulos lhe perguntaram
o significado dessa parábola.
10Jesus respondeu:
'A vós foi dado conhecer os mistérios do Reino de Deus.
Mas aos outros, só por meio de parábolas,
para que olhando não vejam,
e ouvindo não compreendam.
11A parábola quer dizer o seguinte:
A semente é a Palavra de Deus.
12Os que estão à beira do caminho
são aqueles que ouviram,
mas, depois, vem o diabo
e tira a Palavra do coração deles,
para que não acreditem e não se salvem.
13Os que estão sobre a pedra
são aqueles que, ouvindo, acolhem a Palavra com alegria.
Mas eles não têm raiz: por um momento acreditam;
mas na hora da tentação voltam atrás.
14Aquilo que caiu entre os espinhos
são os que ouvem, mas, com o passar do tempo,
são sufocados pelas preocupações,
pela riqueza e pelos prazeres da vida,
e não chegam a amadurecer.
15E o que caiu em terra boa
são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso,
conservam a Palavra, e dão fruto na perseverança.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 8, 4-15

Muitas vezes, quando estamos exercendo o trabalho evangelizador, ficamos angustiados porque não vemos os resultados que estávamos esperando, e isso acaba por se tornar para nós causa de desânimo. O Evangelho de hoje nos mostra que o mais importante é evangelizar, e que sempre devemos lançar as sementes da Palavra. O semeador do Evangelho de hoje não estava preocupado se as sementes estavam caindo em terreno bom. Nós também não devemos lançar as sementes apenas para os que podem responder de forma positiva. A evangelização é para todos e os resultados não dependem de nós, mas da Graça divina.
Fonte CNBB



BOAS SEMENTES, BOM TERRENO, BONS FRUTOS Lc 8,4-15
HOMILIA

Jesus caminha de cidade em cidade, de aldeia em aldeia, até o momento em que grande multidão se reúne em torno dele, vinda de todos os lugares. Então, Jesus fala sobre a semente. Jesus usa uma linguagem simples e acessível para um povo simples, como nós. Jesus hoje fala também a você. Há um semeador e uma semente. O que faz o semeador? Semeia a boa semente. Quem é o semeador de que Jesus fala? É Deus. Que semente o Bom semeador semeia? A semente da paz, do amor, da alegria, da fraternidade, do acolhimento, do serviço alegre e generoso, da entrega total de si a Deus e ao próximo.
O semeador não se preocupa com os resultados, sabe que a semente germinará, sabe que é fértil e dará bons e abundantes frutos, a depender da boa disposição do terreno que a acolher. O semeador dá a sua semente, cabe a partir daí à liberdade e a responsabilidade de que a recebe deixará germinar, crescer e se tornar uma grande arvora onde as aves fazem seus ninhos, onde os homens vêm buscar alimento e descansar à sua sombra.
O semeador não julga a aparência da terra onde a sua semente cai. Age com paciência se é dura e superficial. Na terra rasa, sem profundidade há dura, rigidez, resistência, é difícil da semente se aninhar. O que a faz ficar na superfície. A semente de Deus só germina e cresce quando levada para o mais íntimo da terra. Ela cresce de dentro para fora. E seus frutos começam a transbordar do coração da terra.
O semeador age com delicadeza, sem deixar de ser firme se a parte da terra é cheia de pedregulhos ou espinhos. Nas pedras a boa semente do amor seca. A semente se instala à margem de pequenas fontes, onde brota a água cristalina dá humildade, do despojamento, do esquecimento de si. O egoísmo e o orgulho são espinhos sufocantes. Asfixiam a semente.
A semente é sempre uma só, no entanto, a qualidade do terreno do coração de cada um é o que muda e faz a diferença para a abundância da colheita. A parábola nos revela que nas quatro situações em que a Palavra foi anunciada, as pessoas ouviram, entretanto só deu fruto de perseverança quem ouviu com um coração bom e generoso. Não nos basta apenas estar presente e escutar a mensagem do Evangelho com indiferença e desatenção.
O mais importante é ter um coração contrito e atento que não questiona, porque confia, e acolhe a mensagem de Deus. O coração que não tem profundidade é superficial e distraído, por isso, não consegue alcançar o pensamento de Deus e facilmente é vencido pelas sugestões do inimigo. O coração preocupado com os afazeres da vida é fechado e duro e se torna também solo impróprio para apreender os mistérios de Deus. O coração preso a si mesmo e aos seus sofrimentos é chão inútil para que germine algo frutífero, pois está sempre voltado para as suas angústias e não dá chances para que o Espírito Santo realize sua obra nele. O coração bom e generoso, no entanto, é aquele que se abre, não somente para escutar, mas para viver segundo a Palavra que lhe foi anunciada. Este, sim, consegue dar fruto na perseverança, e seguir passo a passo o caminho proposto por Jesus.
Deus conhece todos os corações, e sabe o que é providencial para cada um de nós. Ele nos instrui e orienta por meio da Sua Palavra que sonda e perscruta o nosso íntimo e ilumina a nossa inteligência. Quando nós abrimos os nossos ouvidos o nosso entendimento também se alarga e nós podemos, com toda a certeza, dar frutos que podem alimentar o mundo.
Que tipo de terra tenho oferecido à semente que não deixa de germinar? Como tenho acolhido a semente? Como é a terra do meu coração? A semente já brotou em meu coração? Eu tenho deixado a semente se desenvolver e dar os seus bons e abundantes frutos? Eu tenho dado de graça o que gratuitamente tenho recebido dos bons frutos de Deus em minha vida?
Pai, reconhecendo o quanto me custa ser fiel ao projeto do Reino, peço-lhe a graça de ser fiel até o fim, perseverando no compromisso assumido contigo.
Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 8,1-3 - 19.09.2014 - Andavam com ele várias mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.

Pai,
reveste-me do amor e da fidelidade
necessárias para ser servidor do Reino.
Que eu demonstre meu reconhecimento a ti,
colocando minha vida a serviço do meu próximo.
Verde. 6ª-feira da 24ª Semana Tempo Comum

Evangelho - Lc 8,1-3

Andavam com ele várias mulheres que ajudavam a Jesus e aos discípulos com os bens que possuíam.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 8,1-3

Naquele tempo:
1Jesus andava por cidades e povoados,
pregando e anunciando a Boa Nova do Reino de Deus.
Os doze iam com ele;
2e também algumas mulheres
que haviam sido curadas de maus espíritos e doenças:
Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios;
3Joana, mulher de Cuza, alto funcionário de Herodes;
Susana, e várias outras mulheres
que ajudavam a Jesus e aos discípulos
com os bens que possuíam.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 8, 1-3

Assim como Jesus não parava, mas vivia caminhando de um lado para o outro anunciando a chegada do Reino de Deus, a sua Igreja não pode ficar parada. Ela deve ir sempre ao encontro do outro, abrir novas fronteiras no trabalho evangelizador para que todos possam ter a oportunidade de conhecer o Reino de Deus, assim como livremente optar por ele. Para realizar a sua missão, a Igreja deve, assim como o divino Mestre, envolver o maior número possível de pessoas, sem distinção entre elas, que queiram colocar a sua vida a serviço do Reino de Deus, como fizeram as mulheres, conforme nos narra o Evangelho de hoje.
Fonte CNBB



A MULHER NÃO É PRODUTO DE COMÉRCIO Lc 8,1-3
HOMILIA

Jesus tinha um grupo de discípulas, formado de mulheres que o seguia por dois motivos:  Primeiro, eram mulheres que foram curadas por Jesus, e em sinal de gratidão o seguiam para ajudá-lo em sua caminhada, pois eram mulheres ricas.  Vejam que uma delas era nada mais nada menos a Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes. Não era fraca não! O segundo motivo destas mulheres seguirem Jesus, é que a situação da mulher naqueles tempos era de grande humilhação, inferioridade  e discriminação por parte dos homens, não havendo nenhuma consideração de igualdade entre marido e mulher, muito pelo contrário a mulher servia apenas para procriar.
            Como Jesus, era contra todo tipo de discriminação e preconceito, defendia a igualdade da mulher em relação ao seu marido. Mais uma motivo de gratidão daquelas mulheres para seguir o Mestre e o ajudar em sua caminhada.  Assim O grupinho das discípulas de Jesus estava ligado a ele por laços de afeto e gratidão. Não se tratava de fãs, nem de paquera, como alguém possa pensar. Jesus aceita essa colaboração do grupo feminino, vendo isso de uma forma sadia e como uma ajuda muito bem-vinda.  E essas mulheres são tratadas em pé de igualdade com os discípulos e sua tarefa consistia em prestar assistência a Jesus com seus bens, e, assim, aliviá-lo de certas preocupações materiais, inevitáveis para qualquer ser humano.
            Comparando aquelas mulheres com as de hoje, percebemos que todo extremismo acarreta uma situação oposta.  A posição de inferioridade da mulher em relação ao homem gerou o movimento de libertação feminina que analisado nos mínimos detalhes, resultou em um movimento de desvalorização feminina.  Isto porque, libertação feminina não pode ser interpretada como libertinagem feminina.  Constantemente vemos garotas dizendo e gritando  palavrões  pela rua. Certamente, isto não é libertação feminina, mais sim desvalorização da menina.
Por outro lado, ser livre, não é ser promíscua, não é fazer o que lhe vem na cabeça. Ser livre não é fugir do casamento, fugir de construir uma família, e botar filhos no mundo sem pensar nas consequências.  Ser livre não é promover os famosos encontros de “ficar por ficar” com um rapaz sem compromisso. Isto é tornar-se coisa, é instrumentalizar-se, para não dizer escravizar-se. É tornar-se objeto de prazer dos homens. É isso que quer dizer emacipação? Liberdade e igualdade de direitos? O que é ser mulher para ti? Não tenho nada contra estas meninas que agem assim, pois elas não têm culpa, pois são vítimas de uma mídia que as ensinou que liberdade da mulher significa vulgarizar a mulher, significa comercializar o seu próprio corpo e personalidade. Sabia de alguma coisa? A mulher não tem de ser submissa nem de ser vista como objeto de prazer, ou de procriação. Mas precisa se valorizar, e ser valorizada pela sociedade a partir dela mesma. Você que é mulher não se conceder uma melancia, mulher produto. Porque estando no mercado serás comercializada. E quanto mais saturação do mercado, menos valor terá. Sabemos que no mundo as mulheres são mais do que os homens. Mas isso não significa que você se coloque nas prateleiras do supermercado, da feira e do shopping Center! É você que tem que trabalhar a sua própria personalidade e personeidade. Precisa ser tratada em pé de igualdade pelos homens. E não em pé de mercadoria ou comida, carro, casa, material de higiene etc.
É verdade que existem moças que por causa deste ou de outro motivo se tornaram escravas do sexo, o que não justifica a sua conduta. Mas também, mãe solteira, por exemplo, não pode ser discriminada, pois são nossas irmãs em Cristo e precisam ser acolhidas, orientadas e se possível, evangelizadas. Desse jeito, estamos dando à mulher, o valor que ela merece, assim como nós gostaríamos que fosse tratada a nossa mãe. E não nos esqueçamos que sempre atrás de um grande homem, está sempre uma grande mulher.
Pai, reveste-me do amor e da fidelidade necessárias para ser servidor do Reino. Que eu demonstre meu reconhecimento a ti, colocando minha vida a serviço do meu próximo.
Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

terça-feira, 16 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 7,36-50 - 18.09.2014 - Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor.

Pai,
faze-me nutrir um amor tão entranhado a Jesus
a ponto de não ter vergonha de manifestá-lo
em nenhuma circunstância,
mesmo correndo o risco de ser mal-compreendido
Verde. 5ª-feira da 24ª Semana Tempo Comum

Evangelho - Lc 7,36-50

Os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados porque ela mostrou muito amor.

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,36-50

Naquele tempo:
36Um fariseu convidou Jesus para uma refeição em sua casa.
Jesus entrou na casa do fariseu e pôs-se à mesa.
37Certa mulher, conhecida na cidade como pecadora,
soube que Jesus estava à mesa, na casa do fariseu.
Ela trouxe um frasco de alabastro com perfume,
38e, ficando por detrás, chorava aos pés de Jesus;
com as lágrimas começou a banhar-lhe os pés,
enxugava-os com os cabelos,
cobria-os de beijos e os ungia com o perfume.
39Vendo isso, o fariseu que o havia convidado
ficou pensando:
'Se este homem fosse um profeta,
saberia que tipo de mulher está tocando nele,
pois é uma pecadora.'
40Jesus disse então ao fariseu:
'Simão, tenho uma coisa para te dizer.'
Simão respondeu: 'Fala, mestre!'
41'Certo credor tinha dois devedores;
um lhe devia quinhentas moedas de prata, o outro cinqüenta.
42Como não tivessem com que pagar, o homem perdoou os dois.
Qual deles o amará mais?'
43Simão respondeu:
'Acho que é aquele ao qual perdoou mais.'
Jesus lhe disse:
'Tu julgaste corretamente.'
44Então Jesus virou-se para a mulher e disse a Simão:
'Estás vendo esta mulher?
Quando entrei em tua casa,
tu não me ofereceste água para lavar os pés;
ela, porém, banhou meus pés com lágrimas
e enxugou-os com os cabelos.
45Tu não me deste o beijo de saudação;
ela, porém, desde que entrei, não parou de beijar meus pés.
46Tu não derramaste óleo na minha cabeça;
ela, porém, ungiu meus pés com perfume.
47Por esta razão, eu te declaro:
os muitos pecados que ela cometeu estão perdoados
porque ela mostrou muito amor.
Aquele a quem se perdoa pouco mostra pouco amor.'
48E Jesus disse à mulher:
'Teus pecados estão perdoados.'
49Então, os convidados começaram a pensar:
'Quem é este que até perdoa pecados?'
50Mas Jesus disse à mulher:
'Tua fé te salvou. Vai em paz!'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 7, 36-50

'Dize-me com quem andas e eu direi quem és!' A partir deste ditado, vemos as relações de exclusão que são estabelecidas entre os 'santos' e os 'pecadores'. E claro que quem é 'santo' não pode conviver com os 'pecadores' pois correrá o risco de se contaminar e se tornar um deles. Esta é a lógica da mentira e do farisaísmo que marca a vida de muitos de nós. Ninguém é 'santo', pois só Deus é Santo, e o pecado marca a nossa existência, e quem disser que não é pecador, é mentiroso, logo não somos melhores que ninguém. Se uma pessoa é reta de coração, deve conviver com todos para que possa testemunhar a todos o amor de Deus, a vivência na busca da santidade, e assim colaborar com a conversão dos pecadores.
Fonte CNBB



O AMOR COMO FRUTO DO PERDÃO Lc 7,36-50
HOMILIA

A Liturgia de hoje nos fala da misericórdia de Deus que perdoa o pecador arrependido, na pessoa da mulher anônima. Anônima para dizer que esta, posso ser eu, pode ser você, quando se arrependidos voltarmos para Deus implorando a sua misericórdia e perdão.
            Jesus não tinha medo das pessoas mal-afamadas. Jesus aceita comer na casa do fariseu, onde, de repente, aparece uma mulher pecadora, prostituta, portanto, excluída da sociedade dos bons, por dois motivos: por ser mulher e por exercer a profissão mais antiga do mundo. Ninguém a convidou, mas todos a conhecem. É perigoso julgar-se justo a si mesmo. É preferível que Deus nos julgue justos a sermos considerados justos diante dos homens. O fariseu julga e condena Jesus e a pecadora. Jesus reage e conta a história dos dois devedores perdoados. “Teus pecados estão perdoados”. E a reação dos convidados? “Quem é este que perdoa os pecados?”. Diante de Deus são justos os que reconhecendo as suas falhas, erros e os seus pecados arrependidos e humilhados, dobram os seus joelhos pedindo perdão a Deus, e então, recebem o seu perdão. Porque para eles não tarda a resposta de Deus na pessoa do Filho: Tua fé te salvou. Vai em paz. Jesus diz ao fariseu: “Seus muitos pecados lhe são perdoados porque muito amou”. Simão, poderíamos dizer que é o que deve 50 denários e a mulher 500.
Durante o tempo em que esteve aqui Jesus não deixou passar as oportunidades para acolher pecadores e para perdoar pecados. Neste episódio da “pecadora perdoada” o Senhor nos ensina que o amor demonstrado por nós é o maior motivo para que nós sejamos absolvidos das nossas transgressões. Os gestos daquela mulher tocaram profundamente o coração de Jesus que percebeu nela um verdadeiro arrependimento. Primeiramente, ela não se incomodou com o que os “fariseus” diriam dela e enfrentou a todos para estar aos pés de Jesus banhando-lhes com suas lágrimas e com o perfume valioso. Para ela nada importava mais do que receber o Seu perdão e demonstrar a Ele o seu grande amor. Podemos verificar, então, que o perdão de Deus está condicionado ao nosso coração contrito e cheio de bons propósitos. O perfume valioso é a nossa oração e os momentos em que nós dedicamos a estar perto de Nosso Senhor. Assim também nós demonstramos muito amor quando nos rendemos aos pés de Jesus com as nossas lágrimas de arrependimento sincero e com a nossa oração penitente. Beijar os pés de Jesus é adorá-Lo na Santa Eucaristia e servi-Lo através dos nossos irmãos e irmãs. Portanto, nós temos muitas oportunidades para também, como a mulher da história, comprovar o nosso amor por Jesus.
A pecadora já se sente perdoada ao passo que para o fariseu, aquela mulher é pecadora e pronto. Não tem o direito de aproximar-se de ninguém. Ele cumpre a lei, ela não. Por isso pode condená-la. Jesus perdoou a mulher diminuída em sua dignidade. Põe uma condição: “não peques mais”. E ela não pecou mais, tornou-se santa. Jesus deixa claro que o perdão é dom gratuito de Deus e o pecador arrependido expressa, através do amor, a acolhida do perdão. Feliz aquele que experimenta o amor e a misericórdia, como Davi e a mulher sem nome do evangelho de hoje. Ninguém pode julgar o amor que está dentro do homem, no seu arrependimento, na sua dor. A nós é pedida a misericórdia, só a misericórdia. Façamos esta experiência. Cada um reza a seu modo: ela, no silêncio e lágrimas. Você que se considera justo louve e agradeça a Deus. Todavia vigilante para não se julgar o todo poderoso diante dos outros que erram e falham. Saiba que à mulher do evangelho foi-lhe restituído um coração novo: “Tua fé te salvou”.
O que você “tem feito” para ser perdoado dos seus pecados? – Você tem demonstrado amor nas ações do seu dia a dia? – Como está a sua vida de oração? – Você tem estado aos pés de Jesus, arrependido?
Pai, faze-me nutrir um amor tão entranhado a Jesus a ponto de não ter vergonha de manifestá-lo em nenhuma circunstância, mesmo correndo o risco de ser mal-compreendido.
Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 7,31-35 - 17.09.2014 - Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!

Pai,
purifica-me de toda forma de orgulho
que me leva a desprezar meu semelhante
e a julgar-me superior a ele.
Como Jesus, desejo estar próximo
de quem se afastou de ti.
Verde. 4ª-feira da 24ª Semana Tempo Comum

Evangelho - Lc 7,31-35

Tocamos flauta para vós e não dançastes; fizemos lamentações e não chorastes!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,31-35

Naquele tempo, disse Jesus:
31Com quem hei de comparar os homens desta geração?
Com quem eles se parecem?
32São como crianças que se sentam nas praças,
e se dirigem aos colegas, dizendo:
'Tocamos flauta para vós e não dançastes;
fizemos lamentações e não chorastes!'
33Pois veio João Batista, que não comia pão nem bebia vinho,
e vós dissestes:
'Ele está com um demônio!'
34Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e vós dizeis:
'Ele é um comilão e beberrão,
amigo dos publicanos e dos pecadores!'
35Mas a sabedoria foi justificada
por todos os seus filhos.'
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 7, 31-35

Todos nós somos cristãos, e muitas vezes nos orgulhamos disso, afinal de contas, temos a salvação em Jesus Cristo e a filiação divina, sem contar que somos templos do Espírito Santo. Porém devemos nos questionar se a nossa vida é coerente com o que cremos, pois muitas vezes vivemos uma religião de gestos exteriores, de cumprimento de normas rituais, de práticas religiosas, mas não vivemos o essencial: não somos capazes de amar, não temos os mesmos sentimentos de Jesus Cristo: a misericórdia, a justiça, a fraternidade, a solidariedade. Com isso, o Evangelho soa todos os dias em nossos ouvidos, mas não toca os nossos corações, nem transforma as nossas vidas, e a sabedoria fica longe de nós.
Fonte CNBB



GERAÇÃO MÁ E INGRATA Lc 7,31-35
HOMILIA

Jesus Cristo está diante da multidão que o cerca para ouvi-lo pura e simplesmente sem saberem qual deve ser o grau de pertença ao reino de Deus. Engraçado é notar que as pessoas que o escutavam eram de renome na matéria da religião. Eram chefes religiosos do judaísmo
Jesus começou assim a sua pregação Convertei-vos porque o Reino dos céus está próximo (Mt 4,17). João Baptista, seu precursor, tinha começado da mesma maneira: Convertei-vos, porque o Reino dos céus está próximo (Mt 3,2). E agora o Senhor censura-os porque eles não se querem converter, quando o Reino dos céus está próximo, este Reino dos céus do qual Ele próprio disse que não vem de maneira visível e também que ele está no meio de vós (Lc 17, 20-21).
Na parábola, o Mestre compara a geração a um grupo de crianças que tenta se comunicar com outro grupo, com brincadeiras de alegria ou de tristeza, porém o outro grupo não corresponde, fecha os olhos, a boca e ouvidos para não ouvir, falar e ver acabando por regeitar todas as tentativas de diálogo com as outras. Por isso: com quem posso comparar as pessoas de hoje? Com quem elas são parecidas?
A pequena parábola dos dois grupos de crianças que disputam nas praças é dirigida a "esta geração". Esta expressão indica uma censura ao povo de Israel de coração duro, conforme a tradição profética. Mas não só! Assim como Jesus censurou a geração do tempo de João Batista assim continua falando hoje: A quem hei-de comparar esta geração. Nós tocamos músicas de casamento, mas vocês não dançaram! Cantamos músicas de sepultamento, mas vocês não choraram. Estamos diante de pessoas que se alegram com o sofrimento dos outros. Não conseguem chorar com os que choram, sorrir com os que sorriem, comer com os que comem, viver com os que vivem. Uma sociedade fechada no seu casul. As pessoas só pensam nos seus interesses e não querem saber nada sobre os outros. O bem, a confiança, a justiça, a fraternidade, a comunhão, o amor, o respeito pela pessoa e pelo que é alheio desapareceram entre as pessoas. Muitos homens e mulheres não se querem converter, não querem abandonar a vida do pecado.
Ao João Batista de hoje faz o seu anúncio da conversão de maneira austera, como um asceta, é chamado de louco. E os ministros sagrados que agem na pessoa de Jesus, que na simplicidade, humildade e solidariedade se abeiram do pobre, do excluído, doente e abandonado chamam-no de pecadores e publicanos, e é chamado de comilão e beberrão.
A sociedade se esquece que, para Jesus o Reino dos céus é para os simples e humildes, que Jesus chama de pobres em espírito. A razão é porque os pobres, pecadores e excluídos, não são escravos da riqueza e do poder, e consequentemente, acolhem o convite à conversão tanto feita por João Batista quanto por Jesus e continuada pelos discípulos e missionários de Jesus Cristo.
Que tu meu irmão, minha irmã tenhas a prudência de aceitar as advertências de Jesus, para não deixares escapar e passar o tempo da sua missão, este tempo no qual estamos, durante o qual Ele poupa mais uma vez a tua vida. Ela é poupada, é para que te convertas, e que ninguém seja condenado. Porque não sabes quando virá o fim do mundo deves viver o tempo da graça, o tempo da salvação, o tempo da fé. Caso contrário, Jesus gritará bem alto nos teus ouvidos: com quem posso comparar esta geração?
Pai purifica-me de toda forma de orgulho que me leva a desprezar meu semelhante e a julgar-me superior a ele. Como Jesus, desejo estar próximo de quem se afastou de ti.

Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

domingo, 14 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 7,11-17 - 16.09.2014 - Jovem, eu te ordeno, levanta-te!

Pai,
torna-me sensível ao sofrimento
e à dor de cada pessoa
que encontro no meu caminho.
Que a minha compaixão se demonstre
com gestos concretos.
Vermelho. 3ª-feira da 24ª Semana Tempo Comum
S. Cornélio Pp, e S. Cipriano B Mts, memória

Evangelho - Lc 7,11-17

Jovem, eu te ordeno, levanta-te!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 7,11-17

Naquele tempo:
11Jesus dirigiu-se a uma cidade chamada Naim.
Com ele iam seus discípulos e uma grande multidão.
12Quando chegou à porta da cidade,
eis que levavam um defunto,
filho único; e sua mãe era viúva.
Grande multidão da cidade a acompanhava.
13Ao vê-la, o Senhor sentiu compaixão para com ela
e lhe disse: 'Não chores!'
14Aproximou-se, tocou o caixão,
e os que o carregavam pararam.
Então, Jesus disse:
'Jovem, eu te ordeno, levanta-te!'
15O que estava morto sentou-se e começou a falar.
E Jesus o entregou à sua mãe.
16Todos ficaram com muito medo
e glorificavam a Deus, dizendo:
'Um grande profeta apareceu entre nós
e Deus veio visitar o seu povo.'
17E a notícia do fato espalhou-se pela Judéia inteira,
e por toda a redondeza.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 7, 11-17

Os milagres que Jesus realiza não possuem uma finalidade em si, mas são a expressão de uma realidade maior. Quando vemos o caso do Evangelho de hoje, percebemos duas coisas: primeiro: o nosso Deus é o Deus da vida e da vida em abundância, e tem poder sobre a morte; segundo: o que motiva Jesus a agir é a compaixão com os que sofrem, e isso nos mostra um aspecto muito importante da sua missão, que é a solidariedade com os mais pobres e necessitados. E tudo isso nos revela que Deus veio visitar o seu povo, ser solidário com ele, e esta notícia precisa ser espalhada para todos os homens a fim de que todos possam perceber a presença amorosa de Deus em suas vidas.
Fonte CNBB



O ENCONTRO DA MORTE COM A VIDA Lc 7,11-17
HOMILIA

O texto do evangelho de hoje nos mostra Jesus que tem compaixão do povo sofredor – hoje representado pela viúva de Naim e nos recorda a misericórdia de Deus que “caminha” entre o povo. Na entrada da cidade de Naim, dois cortejos se encontram. Dois encontros acontecem: o da Vida e o da morte. De um lado, Jesus acompanhado de seus discípulos e grande multidão que representam o a vida; do outro, seguido de sua triste mãe viúva e também de grande multidão da cidade, vinha carregado um jovem defunto fazendo-nos ver a morte e todos os que fazem parte do seu reino.
O Senhor da Vida depara-se com essa triste realidade humana e sente compaixão; sofre dentro de seu coração as dores que lancinavam no peito ferido daquela pobre viúva e de todos os que lhe seguiam, chorando a própria morte.
Ora, sabemos que a situação de uma viúva no tempo de Jesus não era algo muito fácil; falecido seu marido, a mesma era colocada sob a custódia dos filhos, e não tendo estes, encontrava-se à mercê da própria sorte. O Evangelho nos diz que o jovem falecido era filho único desta viúva, portanto, ela não tinha mais ninguém por si a não ser o próprio Deus. E é este que escuta seus lamentos e vem ao seu encontro! “Mulher, não chore!”
A Palavra criadora do universo, aquele que é o Verbo eterno de Deus, consola a mulher e lhe dá a alegria de ter seu filho vivo novamente. “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” Mal as palavras de Jesus tocam o ouvido congelados do cadáver e este volta à vida e começa a falar. Aquele que jazia nas sombras da morte, recebe novamente o sopro vivificador que emana das palavras de Jesus, Senhor da Vida!
“Eu sou a ressurreição e a Vida. Aquele que crê em mim mesmo que esteja morto viverá” (Jo 11,25). A reanimação do cadáver, causa no povo grande alvoroço, e todos ficaram com muito medo e glorificaram a Deus reconhecendo na pessoa de Jesus a figura de um grande Profeta, pois, viram em sua ação algo muito maior do que fizera Elias em Sarepta (1 Rs 17,17-24) e Eliseu na casa da viúva sunamita (2 Rs 4:35-4:35).
É o próprio Deus que visita seu povo; não mais através de profetas, mas Ele mesmo que assumindo a condição humana vem nos trazer a Salvação e a Vida. Quantas vezes em nossas vidas, não deixamos passar despercebido o toque de Deus em nossos caixões mortuários, que conduzem nossas almas afundadas na miséria e na morte. É Jesus que passa e nos diz: “Jovem, eu te ordeno, levanta-te!” e ao toque de sua mão, nossa vida ganha Vida, ganha Luz, ganha Esperança.
Deus visitou o seu povo! Jesus se mostra o profeta através do anúncio dos novos tempos para todas as pessoas, incluídas ou excluídas do povo eleito, ele anuncia através dos gestos concretos da misericórdia. Em seu olhar misericordioso revela a oblação de si mesmo para que o outro tenha vida.
No hoje da história, os discípulos-missionários de Jesus são convidados a experimentarem a força da Palavra e torná-la operante através da oblação de si mesmos ao rosto dos que vivem a pressão da “morte” e são escravizados pelo poder do pecado, vivendo a miséria humana nos atos de injustiça.
Diante das forças contrárias à vida, o discípulo-missionário de Jesus sabe que a sua vida está em relação com a profecia evangélica de Jesus e permanece fiel à missão que lhe foi confiada. Para isso, a Palavra serve para todos: “Eu te ordeno, levanta-te!” Que a meditação deste Evangelho nos ajude a termos sempre Fé e Confiança naquele que é o Senhor de nossas vidas.
Pai, torna-me sensível ao sofrimento e à dor de cada pessoa que encontro no meu caminho. Que a minha compaixão se demonstre com gestos concretos.
Fonte Padre Bantu Mendonça Katchipwi Sayla

sábado, 13 de setembro de 2014

LITURGIA E HOMILIA DIÁRIA - Lc 2, 33-35 - 15.09.2014 - Mãe entre todas bendita, do Filho único aflita, a imensa dor assistia (Stabat Mater).

Pai,
a prática do amor e da justiça
revele tua ação no íntimo do meu coração,
transformando-me em instrumento de tua misericórdia,
que eleva a humanidade decaída.
Branco. Nossa Senhora das Dores, Memória

Evangelho - Jo 19,25-27

Mãe entre todas bendita, do Filho único aflita,
a imensa dor assistia (Stabat Mater).

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João 19,25-27

Naquele tempo:
25Perto da cruz de Jesus, estavam de pé
a sua mãe, a irmã da sua mãe, Maria de Cléofas,
e Maria Madalena.
26Jesus, ao ver sua mãe
e, ao lado dela, o discípulo que ele amava,
disse à mãe:
"Mulher, este é o teu filho".
27Depois disse ao discípulo:
"Esta é a tua mãe".
Daquela hora em diante,
o discípulo a acolheu consigo.
Palavra da Salvação.
Fonte CNBB



Reflexão - Lc 2, 33-35

A presença de Maria junto ao seu Filho no momento do seu suplício mostra para nós a realização da profecia de Simeão: “E quanto a ti, uma espada de dor transpassará a tua alma”. Esta presença também nos mostra a necessidade da nossa presença e da nossa solidariedade junto a todos os que sofrem e que esta presença deve ser muito mais do que estar ao lado fazendo alguma coisa. Ela deve ser também a presença solidária de quem sofre junto, porque temos os mesmos valores, comungamos as mesmas idéias e lutamos pela realização plena dos mesmos projetos.
Fonte CNBB



HOMILIA
Uma espada traspassará tua alma

Hoje, na festa de Nossa Senhora, a Virgem das Dores, escutamos palavras pungentes de boca do ancião Simeão: «E a ti, uma espada traspassará tua alma!» (Lc 2,35). Afirmação que, no seu contexto, não aponta unicamente à paixão de Jesus Cristo, senão que ao seu mistério, que provocará uma divisão no povo de Israel e, por conseguinte uma dor interna em Maria. Ao longo da vida pública de Jesus, Maria experimentou o sofrimento pelo fato de ver a Jesus rejeitado pelas autoridades do povoado e ameaçado de morte.

Maria, como todo discípulo de Jesus, teve de aprender a colocar as relações familiares em outro contexto. Também Ela, por causa do Evangelho, tem que deixar ao Filho (cf. Mt 19,29), e há de aprender a não valorizar a Cristo segundo a carne, ainda quando tinha nascido dela segundo a carne. Também Ela há de crucificar sua carne (cf. Ga 5,24) para poder ir se transformando a imagem de Jesus Cristo. Mas, o momento forte do sofrimento de Maria, no que Ela vive mais intensamente a cruz, é o momento da crucificação e a morte de Jesus.

Também na dor, Maria é modelo de perseverança na doutrina evangélica ao participar nos sofrimentos de Cristo com paciência (cf. Regra de São Bento, Prólogo 50). Assim tem sido perante sua vida toda e, sobre tudo, no momento do Calvário. Assim, Maria transforma-se em figura e modelo para todo cristão. Por ter estado estreitamente unida à morte de Cristo, também está unida a sua ressurreição (cf. Rm 6,5). A perseverança de Maria na dor, fazendo a vontade do Pai, lhe dá uma nova irradiação no bem da Igreja e da Humanidade. Maria nos precede no caminho da fé e do seguimento de Cristo. E o Espírito Santo nos conduz a nós a participar com Ela nessa grande aventura.
Fonte Comentário: Dom Josep Mª SOLER OSB Abade de Montserrat (Barcelona, Espanha)